18 março 2013

Floriano Teixeira, 90, Jorge Amado, 100.

Em postagens anteriores falei do Floriano Teixeira, artista maravilhoso e ser humano iluminado, cara do bem, divertido, bom papo, de caráter sem jaça. Bateu uma saudade e fui ao meu relicário fuçar alguma foto que eu tivesse tirado ao lado do Flori. No meio da grande bagunça que é esse meu osculatório, achei estas aí em cima que tiramos quando ele e Jorge Amado vieram me abraçar durante uma exposição de caricaturas que fiz no Shopping Iguatemi, nesta Soterópolis. Dois gigantes da Arte brasileira, apesar do endeusamento geral mantinham-se sempre como pessoas de notável simplicidade, companheirismo, sinceridade e solidariedade a toda prova, diferente, bem diferente de um magote de cabotinos desapetrechados de lídimo talento com que topamos a todo instante vida afora. Saudades, Jorge, saudades, Flori, amigos constantes que fazem uma imensurável falta. Sorte nossa que, ultrapassando o mero aspecto físico, de forma perene eles permanecem entre nós através de seus trabalhos fantásticos e imorredouros, iluminados que sempre foram e que seguem sendo.