30 dezembro 2016

Ano Novo, Brasil, trevas e claridade.

Onde anda Dona Esperança, alguém sabe, alguém viu? Eis que o ano de 2016 vai se encerrando e abrindo caminho para seu sucessor, 2017. A menos que um decreto ou mais uma das manobras espúrias do congresso nacional ou do senado altere a ordem natural das coisas, o que não é de se duvidar dado tantos e tantos descalabros que já vimos acontecer nesse ano tão aziago, tão infausto para nossa democracia e para nossas vidas pessoais, para o país, ano esse que ora vai terminando. Se permitirem, repito, se permitirem, pois podem decidir estender um pouco mais esses dias tão recheados de desmedidos absurdos e ignomínias inomináveis, justamente para que eles sigam acontecendo, enchendo de júbilo uma minoria para a qual a coisa é boa assim dessa maneira, não se importando se a grande maioria sofre duros revezes que vão enchendo os dias vindouros de temores, incertezas, maus presságios, que só os absolutamente alienados não conseguem vislumbrar. Um ano em que Dona Esperança levou um trompaço, caiu de mau jeito e está custando a se levantar. Amados e idolatrados leitores, já que esse negócio de começar um Ano Novo com sentimentos negativos, desesperança e falta de horizontes não é nem um pinguinho bom, nós próprios, com nossas atitudes e iniciativas, temos que nos ajudar e ajudar Dona Esperança a se reerguer e seguir caminhando ao nosso lado em 2017. Para essa tarefa contamos com o auxílio luxuoso dos versos e da melodia de Juízo Final, metafísica composição de Élcio Soares e Nelson Cavaquinho, ouro puro, verdadeiro tesouro em que reluz a frase "o amor será eterno novamente". Eterno...novamente?! Uau! Pois, para nosso gáudio, Clara Nunes, com toda sua intensa claridade, um dia gravou tal tesouro. Ao ouvir essa música, esse canto, não há Dona Esperança que não se recomponha. 

18 dezembro 2016

As Histórias em Quadrinhos, o diabo contra o Brasil

Tempos houve em que as Histórias em Quadrinhos aqui neste Patropi eram consideradas coisas do demo, do canhoto ou seja lá que nome dêem ao anjo dissidente das hordes celestiais. Você, amável e atilado leitor, que no conforto do seu sacrossanto lar gosta de ler bem editados álbuns de luxo de HQ que hoje circulam em toda parte com pompa e circustância, ficará um tanto cético diante de tal afirmação, mas ela é a pura expressão da verdade, por mais absurda que lhe possa parecer. Em meados de 1930 o empresário Adolfo Aizen, através do Suplemento Juvenil, lançou as HQs aqui no Brasil. Quer dizer, esta é a versão corrente, embora haja os que afirmem que antes dele já havia pubicações pioneiras de quadrinhos por aqui. O fato é que Aizen lançou com grande repercussão, em larga escala, de maneira maciça e por isso é considerado o grande marco dos quadrinhos no Brasil. Entre os leitores e os quadrinhos houve uma paixão instantânea e fulminante que se fortaleceu à medida em que o tempo foi passando. Mas gente que se crê dona da verdade e se autoentitula defensora legítima da moral e dos bons costumes não é uma sandice dos tempos atuais, sempre existiu. Infiltradas nos órgãos oficiais, nos gabinetes acabaram por desenvolver verdadeiras campanhas onde a tônica era o mais improcedente preconceito e buscaram fazer uma lavagem cerebral por atacado afirmando que as revistas de HQs, os conhecidos Gibis, eram um inimigo natural dos livros didáticos, um adversário maléfico, um feroz antagonista das consagradas obras dos bons escritores, que destarte eram um inimigo do próprio Brasil e do povo brasileiro e um monte de sandices congêneres. Difícil de acreditar em algo assim, não é? Pois coisas até piores que isso foram ditas, escritas, impressas e circularam entre nós. Afirmavam, em cartazes e por outros meios, que a criança que lia quadrinhos inexoravelmente haveria de se tornar um malfeitor que empunharia armas contra as pessoas ditas normais. Valei-me meu São Stanislaw! Esta autêntica Idade das Trevas das comunicações graças aos céus parece ter chegado ao fim e hoje os quadrinhos circulam nos mais salutares ambientes com as devidas alvíssaras e são comercializados em versões bem cuidadas, até luxuosas, em livrarias conceituadas, sendo largamente empregados em campanhas governamentais, seja na área de saúde ou outra qualquer, onde se faça necessária uma forma de comunicação rápida e de alcance de todas as camadas. E, glória das glórias, hoje são utilizados amiúde em parcerias com os livros didáticos que assim levam ao povo, com o auxílio luxuoso das HQs, o doce sabor do Saber. Os quadrinhistas brasileiros, comovidos, agradecem, não é mesmo Bira Dantas e Cedraz?
(publicado originalmente em 21 de março de 2014)

Quem é quem na Velha Jovem Guarda

Recordar é viver, já dizia Lázaro que, depois de ter estado morto, bem morto, duro, teso e esticadão voltou à vida, levantou e andou por artes e ordens expressas de um nazareno conhecido por JC, um cara quase tão famoso quanto os Beatles e que não brincava em serviço quando o papo era fazer milagres. Então recordemos, pois. Deixe que sua memória o leve de volta aos cultuados anos 60s, década em que surgiu um movimento musical e comportamental batizado de Jovem Guarda. Se você ainda não havia nascido naquela época, não tem problema. É só você recordar-se do que já viu em algum especial televisivo sobre aqueles tempos de tanto glamour em que jovens e talentosos cantores surgiram cheios de inovações para ocupar o lugar dos cantantes medalhões na cena brasileira. E nunca mais saíram dela, tornando-se os medalhões da vez e vai daí que também tiveram que ceder os holofotes aos novos talentos e sumiram dos palcos e TVs. Como estarão eles agora? - indagará sua atilada pessoa. Pois saiba que, aproveitando as ondas de revival, eles continuam muito bem tocando suas guitarras, cantando e rebolando. Quer dizer, rebolando nem tanto pois nem sempre as dores articulares características na idade atual permitem. Mister se faz este singelo e saudosístico preâmbulo para anunciar que as postagens porvindouras justificarão o título e mostrarão... Quem é quem na Velha Jovem Guarda.
(100512)

17 dezembro 2016

Humor de graça / Vigário e vigarista

(200212)

Paulo Paiva, Suely Furukawa, vida, mistérios e os mais sinceros votos de um Feliz Ano Novo!

Imenso e indecifrável é o mistério que cerca nossas humanas existências. Por culpa da Dona Cegonha e seu longo bico, ou pela existência do tal conceito de continuação da espécie ou, quem sabe, por sermos mera e simplesmente parte integrante do chamado reino animal, estando portanto sujeitos a atitudes em que a racionalidade é posta de lado e o instinto prevalece, ou quiçá seja mesmo por obra de um Grande Arquiteto, um Supremo Criador, sei lá, o fato é que a gente, sem saber como e nem porquê, é colocado nesse mundo grande e desprovido de porteira, sem panos a cobrir nossas vergonhas e aqui chegando somos recebidos com um doloroso tapa no bumbum dado por um sacripanta embuçado atrás de uma máscara branca. E neste planeta estando, vem a vida, o fado, le destin, the fate, a sina, o destino e a todo instante nos convida a dançar, seja uma lúdica cantiga de roda, um saltitante samba de breque, um instigante rock'n roll, um delirante axé, um sensualíssimo tango e mesmo a indesejável Marcha Fúnebre, valha-me Deus!, Alá nos proteja!, Maomé, Jeová, Buda, Jah, Olorum e Tupã olhem por nós e nos cubram com protetora égide! Não é preciso ser um Nietzsche, um Schopenhauer para tirar da existência tais ilações. À medida que vamos vivendo vamos recebendo nossos quinhões de pequenas ou grandes dores, perdas e frustrações e de inesperadas e inexplicáveis alegrias que nosso peito por vezes parece não saber comportar. Incontáveis vezes a vida nos dói, mas somos a velha raça humana e sendo assim e assim sendo, Esperança é nosso sobrenome. Escrevo essas prosaicas divagações movido pelo fato de que acabo de receber uma mensagem pelo Facebook que me pegou de surpresa, me alegrou e me trouxe intensa emoção. Quem a escreveu foi meu amigo de longa data, o cartunista Paulo Paiva, marido de Suely Hiromi Furukawa, editora, colorista, redatora, enfermeira, amiga, esposa, mãe, avó. Pelos mistérios que nossas existências encerram, Paulo Paiva sofreu há alguns anos um severo AVC. Mas mistérios outros determinaram que Paulo não morreria nos privando de sua agradável presença, de sua alegria, seu humor, de sua privilegiada criatividade. E o apoio da esposa, Suely, da filha Paulinha e agora também de Eric, seu amado neto, ainda um bebê, são fundamentais para Paiva driblar as dificuldades inerentes ao AVC. Confesso que fiquei com os olhos marejados ao ler e reler a mensagem que contém um desenho saído da cuca e das mãos do Paiva que mostra uma criança representando o Ano Novo a nos desejar com um largo sorriso, pleno do mais lídimo sentimento de esperança e de fé, um grande, um muito bom ano novo para todos. Foi fácil decidir que mais uma vez vou me valer do contagiante e elevadíssimo astral de Paulo Paiva e de Suely para estender e desejar a todos os que curtem e acompanham este meu bloguito um graaaaande, um redentor, um felicíssimo, um benfazejo e profícuo Ano Novo. Um 2017 bom demais para todos nós, galera!!
(Publicado originalmente no dia 30/12/14)

Um desenho de Paulo Paiva com direito a Happy New Year

Paulo Paiva, meu cartunista de estimação, como é do seu consuetudinário proceder, produz assaz criativos desenhos a todo vapor nos finais de ano. Guardo um deles com especial carinho, que é este aí em cima postado, que me enviou minha chapinha Suely Hiromi Furukawa em que ela própria aparece ao lado de PP e da amada filha deles, Paulinha, vestida com sua vistosa farda de moça-da-lei. Você vê na ilustração um dos gatos da família, mas não vê o Eric, filho de Paulinha, neto de Suely e Paulo Paiva, porque essa postagem é um remake de uma que aqui postei há alguns anos, quando Eric ainda não havia chegado para alegrar um pouco mais esse planeta azulzinho. Sucede que de tanto gostar desta mensagem enviado pela família Paiva-Furukawa, costumo repetir a postagem em natalinas épocas. Também pudera, o desenho de Pepê mostra sua família, que é uma família bem bonita e bem brasileira, que pretendo crer que há de bem simbolizar e adequadamente representar todas as outras deste patropi abençoá po Dê e boni po naturê, como diz e canta o velho e sempre bom Babulina. Paulo Paiva é um cara de astral elevadíssimo e a temática do desenho trata de sinceros votos de um Natal feliz e um Ano Novo massa, que é exatamente o que eu desejo aos amigos e aos meus fiéis e caríssimos leitores que leem este meu bloguito, e é justamente por isso que vou reincidentemente grilando, usurpando o desenho, me apossando mui semcerimoniosamente, remakando uma vez mais, pegando carona no ótimo astral dessa família de meu nobre amigo e editor e aqui postando para que todos que visitem este espaço possam ler e receber bons fluidos e se sentirem em estado de graça.
(Publicado originalmente em 20/12/13)

11 dezembro 2016

A verdadeira origem dos Doces Bárbaros

Corria o ano de 1976 e Santo Amaro da Purificação vivia dias de um regozijo sem precedentes em sua história. Tudo porque Dona Canô, líder natural da comunidade e quitueira de invulgares dotes e assaz justificado prestígio, decidira que seus mui deliciosos acepipes, dantes restritos às privilegiadas papilas gustativas de seus familiares e uns poucos agregados, iriam ser postos à venda para todo o povo santoamarense. Tudo movido pelo nobre objetivo de angariar fundos para viabilizar a festa anual ao santo padroeiro da simpática urbe. Sendo a venerável matriarca dos Vellosos, Dona Canô contou com a consuetudinária participação de todos da família. Mesmo os mais novos como o ainda glabro Caêzinho e sua mana Beta, Beta, Bethâninha, ambos de prendas canoras aclamadas nas tertúlias do clã. A dupla chamou seus amiguinhos Gilzinho e Galzinha que incontinentemente aceitaram o convite. Unindo talento artístico com tino comercial o quarteto criou - e apresentava na praça - um show de canto e dança de fazer Michael Jackson babar de inveja. Tudo para ajudar na vendagem feita por nobres motivos. E com tal fim bolaram um jingle em que preconizavam ainda mais as virtudes e a já reconhecida suprema qualidade dos doces canônianos, os quais batizaram de Doces Bárbaros, usando um neologismo da época. Sucesso total! Multidões acorriam à praça e as vendas aconteciam aos borbotões. Com a renda arrecadada a igreja fez a mais linda festa ao santo padroeiro que como reconhecimento retribuiu aos habitantes com mais que farta distribuição de graças. Uma delas foi fazer com que entre o público admirador dos meninos estivesse, de passagem por Santo Amaro, um influente empresário do ramo musical que viu logo que em futuro mui breve eles se tornariam grandes estrelas da MPB. E não pestanejou: contratou, célere, toda a trupe que levou para Sampa. Lá montou o show Doces Bárbaros, aquele mesmíssimo criado pelos precoces infantes para vender as canônianas delícias em modesta ágora santamarense. O sucesso foi estrondoso como previsto e hoje os Doces Bárbaros são conhecidos e reverenciados em todo o planeta graças, sobretudo, às habilidades culinárias e ao axé de Dona Canô, a mui amada matriarca.
(10/08/13)

05 dezembro 2016

Juazeiro, Petrolina e Ilha do Fogo: lá 1964 ainda não acabou

Redigo: a Ilha do Fogo é  um patrimônio legítimo e indissociável do povo, do amável e ordeiro povo brasileiro que habita as vizinhas cidades de Juazeiro, Bahia, e Petrolina, Pernambuco. Bem entre estas urbes, situa-se essa bucólica ínsula fluvial, dividindo ao meio naquele trecho, o histórico e lendário Rio São Francisco. Por quase meio século pescadores e habitantes da região transitaram por suas areias. Eis que então militares pernambucanos botaram enormes e cobiçosos olhos sobre a ilha e decidiram usurpá-las, arrancando das mãos dos pacíficos moradores sob o descabido pretexto de que ali é ponto estratégico, vital para a segurança desse país varonil de Gugu e Clodovil. Pois tais militares, conhecedores da questionável máxima que por aqui impera de que "decisão judicial não se discute, se cumpre", foram a um juiz simpático aos castrenses. Longe vai o tempo em que os brasileiros enxergavam um juiz como um monumento da idoneidade e da imparcialidade, um oceano da integridade moral. Os próprios juízes, fazendo o que muitos, de forma escancaradamente absurda, vêm fazendo, trataram de eliminar em nós outros quaisquer resquícios de crença e de confiabilidade. Sendo assim e assim sendo, procurado pelos militares, o tal juiz foi mostrando logo que sua toga era verde que te quero verde...oliva, foi tratando, célere, de dar parecer legal às pretensões dos militares e autorizando a posse e ocupação da Ilha do Fogo pelos fardados. Tudo feito sem uma prévia consulta popular, sem que as comunidades pudessem ter voz e vez para se manifestar democraticamente, bem ao estilo dos anos de chumbo. Nenhum plebiscito, nenhum referendo popular. Puro arbítrio travestido de legalidade. Um ato bem ao feitio dos negros tempos do nada saudoso regime militar que, iniciado em 1964, golpeou nossa gente por mais de 20 anos e que saudosistas do fascismo insistem em trazer de volta. Lamentável, lamentável. O Rio São Francisco é extenso. A caatinga é vasta. Nas terras do sem fim sanfranciscanas é de notório conhecimento que gentes inescrupulosas mantém plantações de  maconha que geram toneladas da erva-do-capeta que abastecem o mercado das drogas. Por ali, sim, seria de grande utilidade instalação de um batalhão de militares bem armados e preparados. Mas todos sabemos que além de traficantes, jagunços e pistoleiros armados, por ali há cobras, onças, mosquitos e sabe-se lá mais o quê. Ao contrário de todo este inferno, a Ilha do Fogo é lugar mais que aprazível, fica perto da casa dos militares, das suas amadas famílias, de shoppings, do aeroporto e dos bons restaurantes que servem a melhor carne de bode deste orbe. Por tudo isso, certamente a finada apresentadora Hebe Camargo diria que os militares pernambucanos envolvidos nesta questão são uma gracinha. Mas da Ilha do Fogo não arredam de jeito nenhum mesmo diante da justíssima pressão popular. Diante dela estão falando em conceder à população o acesso à Ilha do Fogo nos domingos e feriados, como uma reles espórtula. Quanto ao povo...ora, o povo que vá reclamar ao Papa. Menos mal que o atual Sumo Pontífice sempre mostrou não gostar de injustiças praticadas contra as camadas mais populares e, por providencial coincidência, ele também se chama Chico, um xará do Rio São Francisco, o Velho Chico.
(200913)

01 dezembro 2016

Gonzalo Cárcamo, um caricaturista mais que ingrato / Pintando o Set 2

Até onde vai a sordidez humana? A que níveis rasteiros e mesquinhos podemos descer? Quão baixo, torpe e vil pode chegar a ser o homem, senhoras e senhores? Vocês são testemunhas do meu proverbial esforço para neste blog louvar as pretensas virtudes do caricaturista e do homem Gonzalo Cárcamo. Cordato, ilustrei a postagem com uma caricatura assaz singela e melíflua do referido cidadão. Coisa que qualquer genitora haveria de guardar orgulhosa em seu mais íntimo relicário. E ele me pagou com igual moeda? Nada disso! Avaliem esta caricatura da minha magnânima e irreprochável pessoa em que o supracitado Cárcamo desrespeita minha condição de caricaturista espada e matador e zomba da minha proverbial virilidade. Só uma mente malévola poderia conceber semelhante opróbrio, algo tão repulsivamente ignóbil. É, caríssimos leitores, assim caminha a humanidade. Vejam, meus caros confrades Paulo Caruso, Biratan Porto, Loredano e JBosco, o que tenho de suportar de forma estóica para não pegar em armas. Ah!, bons tempos aqueles retaliativos em que vigoravam as ações do CCC (Comando dos Caricaturistas Caricaturados).
(10/05/2012)

Mulher de Sagitário no Horóscopo de Vinicius de Moraes

As mulheres sagitarianas
São abnegadas e bacanas
Mas não lhe venham com grossuras
Nem injustiças ou censuras
Porque ela custa mas se esquenta
E pode ser muito violenta.
Aí, o homem que se cuide...
-Também, quem gosta de censura!
(121114)