04 maio 2021

Antonio Cedraz, um desenhista baiano e seus personagens amados em todo o Brasil

Você, leitor, sendo a pessoa atilada que o é, já deve ter lido as histórias em quadrinhos que mostram a simpática e divertida Turma do Xaxado, não é mesmo? Pois fique sabendo, se já não o sabe, que o criador é o afamado, aclamado e mui amado Antonio Cedraz, glória-mor de Jacobina, urbe localizada no sertão da Bahia, qual uma pedra preciosa incrustada em monárquica coroa, sendo ele um dos mais premiados desenhistas de toda esta Terra Brasilis, que um dia foi achada pelo intrépido lusitano Pedro Álvares Cabral. Cedraz, ainda por cima é um ser humano dos mais supimpas, um raro amigão, gente muito do bem, um cara de alma muitíssimo bonita, um gajo giro, como diz seu genro, que é tão português quanto o supracitado Cabral. Um certo dia recebi convite para visitar o Estúdio Cedraz e fazer as caricaturas dos integrantes da equipe. Topei de cara e mui contente e parti para lá, lépido e fagueiro. Fiz as caricas em preto e branco, depois, lesto e presto, peguei uma marinete e levei para colorir no estúdio que mantenho em Montmatre, logo ali em Paris, vizinho ao do meu confrade Juarez Machado. Para comprovar a veracidade do meu relato, taí o pai do Xaxado posando numa nice para mim. (29/11/13)                                             P.S.: Aproveito para lembrar a todos que no próximo sábado, dia 26 de maio de 2018, às 15h, na Galeria Pierre Verger, Biblioteca Central dos Barris, nesta cidade de Salvador, acontecerá a abertura da exposição comemorativa dos 20 anos de Xaxado, o mais afamado personagem de Cedraz. A mostra vai do dia 27 a 30 de maio, aberta ao público das 09:00h às 18:00h.

20 abril 2021

Chico Buarque de Hollanda, Kid Morengueira e Miles Davis. Três retratos em P&B por Setúbal.

MOREIRA DA SILVA, o popular Kid Morengueira, homem dos sambas de breque e do humor delicioso em incontáveis sucessos musicais. Desenho em papel Opaline 180 g, esboço feito com grafite 2B, arte-final com caneta nanquim, pincel seco e nanquim Talens. Clicando sobre cada uma destas ilustrações, intrépido leitor, você poderá vê-las ampliadas.
 CHICO BUARQUE DE HOLLANDA, cantor e compositor cultuado em todo o planeta, escritor e dramaturgo mais que premiado, suas canções, nas letras e melodias, têm a marca da genialidade, sendo cantadas e regravadas em diversos países pelos mais consagrados cantores. Ao lado de Caetano foi apresentador de um programa musical televisivo, escreveu inúmeras trilhas musicais antológicas para filmes e peças teatrais. Retrato feito em papel de diagramação, esboço com grafite B, arte-final com caneta nanquim, meio-tom em retícula executada graficamente.
Mr. Miles Dewey Davis III, o virtuosíssimo trompetista MILES DAVIS, também compositor e bandleader, deixou seu nome marcado no jazz e em toda a música norte-americana e mundial. Retrato em papel Westerprint 180 g, grafite B, caneta nanquim, fundo com retícula xerocada. 

16 abril 2021

O idioma franco-português que falamos na terra do Prof. Pasquale.

Sou um liberal avant la lettre. Nos costumes, que fique claro. No atual sentido político-econômico, nem pensar. Esse negócio de lassez faire, lassez aller, lassez passer, só é bom mesmo para um grupinho e há que se ter um olho bem aberto. Ou melhor, os dois. Sou do time da liberté, égalité et fraternité. Mas não na base do uso de la guillotine, Sacré bleu! Já fui um enfant terrible, mas jamais um enfant gâté. Nem um franc-maçon, coisa que, aliás, vejo com muitas reservas. Sempre busquei encarar a vida como um bon vivant e tudo comigo é às claras, ali no vis-à-vis, no tête-à-tête. Nunca morei em chateau, só em modestas maisons. Fui sempre um gourmand mas nem sempre - ai de mim! - um bon gourmet. Adoro cassoulet, bouef bourguignon, filet au poivre, e lambo os dedos saboreando um foie gras, mas não dispenso um bom soufflé e um caprichado ratatouille. Na sequência, crêpes Suzette flambées ao melhor estilo da Le Cordon Bleu, até minha barriga estufar, já que esse negócio de novelle cuisine não combina muito com meu estilo de sujeito de baixa extração. Já gostei muito de cognac ( à la santé, mon ami Paulo Carrusô! ) e de champagne. Mas nunca, mon Dieu, tive o prazer de saborear um Grand Cru, como o Romanée-Conti. Ou um Le Montrachet. Mas quem sabe, um dia chego lá. Enquanto isto vou sorvendo umas garrafas de um popular Capelinha, que prefiro chamar de Petite Chapelle, o que engana os mais desatentos. No amor, me envolvi com cocottes e também sofri, com alegria, nas garras de femmes fatales. Curto Vaudeville e adoraria ir no Moulin Rouge assistir um Can-can. Aprecio filmes noirNovelle VagueArt Naif, Art Noveau e as delícias da Belle Époque. Já Décor e Art Déco nem tanto, talvez por eu não ser um nouveau riche. Gosto de trabalhar com papier marché e com papier glacé. Tento desenhar e pintar e, para tal, uso muito o papier couché, cada vez mais difícil de encontrar nesta Soterópolis. Primeiro faço debuxos e croquis depois uso Caran d'Ache. Adoro todas as cores, mas depois daquela Copa da França de 98, não me falem em Les Bleus, muito menos em Zidane. Sem falsa modéstia, sou coqueluche nas altas rodas de Montmatre e outros sítios menos votados. E nas minhas vernissages, sorvendo taças de um bom bordeaux, saboreio croissant, croquete, petit-pois, crème brûlée e um bom petit gâteau au chocolat. Mon Dieu, mon Dieu! Alors, no balanço do Olodum, o meu au revoir para vocês, mons enfants de la patrie.
(040214)

05 abril 2021

Mulher de Áries no Horóscopo de Vinicius de Moraes

Branca, preta ou amarela
A ariana zela.
Tem caráter dominador
Mas pode ser convencida
E aí, então, fica uma flor:
Cordata...e nada convencida.
Porque o seu denominador
É o amor.
Eu cá por mim não tenho nenhum
preconceito racial
Mas sou ariano!
(201013)

01 abril 2021

Guigão, de Pernambuco para a Bahia com muito humor

 Saudade é coisa que vem e que vai sem pedir licença à gente. Eis que estamos na nossa, quietinhos em nosso canto e aí...pimba! Lá vem ela falar de lugares, de coisas, de amores, de viagens acontecidas, de momentos marcantes, de amigos inesquecíveis, como meu confrade Guilherme Aragão que, tendo nascido em Pernambuco, com um carinho que era só dele adotou a Bahia como sua amantíssima terra mater, louvado seja. Guigão - como assinava seus cartuns - era geólogo (tremendo pedra 90), cordelista, cartunista, frasista, um standup man avant la lettre, um vivente mui esclarecido sobre o Brasil, seus caminhos e descaminhos, um ser politizado, autor de textos de humor e o escambau. E como saudade não está nem aí para datas, atualizei e republico a seguir um texto que fiz há algum tempo saudando esse confrade assaz porreta que quando dele se fazia necessário nunca falhava com os amigos, chegava junto, jamais batia fofo.

Hoje, dia 31 de março, é dia triste se lembrarmos que é a data da consumação do golpe militar no Brasil que nos legou tantas e terríveis sequelas políticas e sociais que perduram até hoje. Para mim, há um motivo mais nobre para se pensar nesta data. Foi o dia - há 21 anos - em que meu amigo Guilherme Aragão, o popular Guigão, deixou este mundo e foi para o céu contar as piadas mais cabeludas que neste orbe já se ouviu, bradar com sua voz estentórea seus cordelísticos versos e declamar suas poesias fesceninas nos castos, santificados e invioláveis pavilhões auriculares de São Pedro. Guigão, meu chapa, ando algo desconsolado de tanto perceber pela Internet e por aí, ao vivo e a cores, que as pessoas estão emburrecendo em demasia, quer politicamente, quer sobre quaisquer assuntos. E não importa que sejam analfabetos ou letrados ou mesmo que tenham cursos superiores, que sejam médicos, engenheiros, arquitetos, artistas plásticos, dramaturgos, diretores de cinema ou teatro, escritores, jornalistas e mesmo cartunistas, valha-nos, Senhor do Bonfim. Pelo discurso que essa tchurma preconiza no maior despudor, vê-se que ficaram mais pobres no modo de pensar e de agir, dizendo abertamente descomunais estultices carregadas dos mais caquéticos preconceitos que eu julgava superados. E tudo sem um pingo de um humor autêntico como o seu. Ah, Guigão, só você mesmo para dizer, a alto e bom som, umas verdades a essa matula de descompreendidos, com aquele seu modo direto, intimorato, desconcertante e pleno do humor mais histriônico. Guigão, minha corrente, meu rei, minha luz, a verdade é que nestes tempos de tantas, tão nefastas e intoleráveis atitudes, em um Brasil apinhado de gentes retrógradas e medíocres, você está fazendo uma falta retada por aqui, meu bom!

Para ler mais sobre Guilherme Aragão, basta clicar no link: http://guilhermepateta.blogspot.com/
(021014)

21 março 2021

João Ubaldo Ribeiro já previra o golpe de 2016 e quem haveria de mandar em uma ''democracia de conluios e negócios escusos".

O texto abaixo é do escritor, jornalista, roteirista, cronista e Mestre em Ciência Política, João Ubaldo Ribeiro, ganhador do Prêmio Camões, galardão máximo para escritores da Língua Portuguesa, um brasileiro extremamente inteligente, de elevada consciência política e social que disse isso tudo aí antes, bem antes de acontecer o nefando golpe jurídico-político-midiático que assola o Brasil, que findou por  colocar no poder uma escória. JUR não estava especulando. Disse o que disse por conhecer de sobejo o Brasil e suas gentes. 
João Ubaldo Ribeiro:
"Desde que me entendo, ouço falar em reformas e as únicas que lembro ter visto efetivamente realizadas são as ortográficas. Talvez eu esteja sendo injusto e tenha presenciado a realização e implantação de alguma reforma não ortográfica. Mas não aquelas que antigamente eram chamadas de “reformas de base” e consideradas essenciais para o desenvolvimento ou até a sobrevivência do País. Reforma agrária, reforma tributária, reforma judicial, reforma administrativa, reforma educacional e por aí se desfiam as benditas reformas, um longuíssimo rosário, impossível de recitar de cor. Ao mencionar-se sua necessidade ou urgência, todos assentem com ares graves – sim, sim, naturalmente, as reformas.
Contudo, passar da anuência à ação é aparentemente impossível. Reforma é uma coisa na qual se fala, mas não se faz. É excelente para comícios e entrevistas, mas não para agir. De vez em quando, um governante diz que fez uma reforma. Se não me engano, o ex-presidente Lula anunciou que fez uma ou duas reformas. Não lembro quais e provavelmente nem ele, são coisas do passado e ninguém viu reforma nenhuma mesmo.
Tenho uma teoria simples a respeito desse assunto. Todas as reformas, de todos os tipos, iriam prejudicar os que ganham com a manutenção do que está aí. Como o País, de cabo a rabo, em todos os níveis, em todas as classes e categorias, é essencialmente corrupto, a corrupção não deixa. Não existe setor da administração pública, novamente em todos os níveis e dimensões, que não seja território de uma ou diversas máfias, algumas das quais institucionalizadas e quase todas alimentadas por uma burocracia pervertida e feita para ensejar propinas, vender influência e fazer proliferar os despachantes e seus equivalentes mais graduados, os chamados consultores – entre estes últimos constando o hoje injustamente esquecido filho de d. Erenice. ( N.R - JUR refere-se a Israel Guerra, filho da ex-Ministra-Chefe da Casa Civil
). Diante da realidade de que há quadrilhas em ação em todos os poderes, tanto de fora para dentro quanto de dentro para fora, não se vai acreditar que os beneficiários de determinado estado de coisas abdicarão de suas vantagens pelos belos olhos de quem quer que seja. Ouso mesmo dizer que, em muitas das áreas mafiosas, quem for fundo demais na investigação e na reforma corre o risco de morrer. São muitas as histórias de assassinatos realizados a mando de algum esquema de corrupção, pelo Brasil afora. Não escapa área nenhuma, a começar, simbolicamente, pelas próprias polícias.
E não escapa, naturalmente, o Congresso Nacional,
onde, segundo as más línguas (observem meu uso copioso do adjetivo “alegado”, ou quem vai preso sou eu) há alegados ladrões, alegados estelionatários, alegados salafrários e outros alegados, em tamanha fartura que desafia a contagem. Agora o Congresso está entregue à tarefa de realizar a reforma política, todo mundo fingindo que acredita que algo que prejudique os interesses imediatos dos congressistas será aprovado. E que o nosso sistema eleitoral está sendo aperfeiçoado.
Aperfeiçoado para eles. O que eles pretendem chega a parecer brincadeira, mas, infelizmente, não é. Querem, como se sabe, instituir o que já chamam afetuosamente de “listão”. O eleitor não votará mais em um candidato, mas na lista elaborada pelo partido, na ordem estabelecida pelo partido. Atualmente, com a lista aberta, pelo menos o eleitor escolhe uma pessoa e essa pessoa, se bem votada, fatalmente se elege. Mas não vai haver mais esse direito. De agora em diante, com a lista fechada, o eleitor escolhe o partido com que se identifica e lhe entrega a escolha dos nomes que serão eleitos.
Só pode ser deboche. Que significa um partido político no Brasil, senão a conglomeração temporária de interesses que raramente são os da nação, mas de grupos, categorias ou indivíduos? Até os programas partidários não passam de florilégios de frases vagas e altissonantes, tais como o combate à desigualdade e a injustiça social, os projetos de inclusão, o desenvolvimento sustentável, a preservação do meio ambiente e outras generalidades, quem ouve um, ouve outro e, se o nome do partido fosse apagado, não haveria quem o distinguisse. Apareceu até um partido que se declara não ser de esquerda, nem de direita, nem de centro. Talvez seja o mais honesto deles todos, por mostrar que reconhece a realidade política brasileira. Aqui nenhum partido quer dizer nada mesmo e podiam usar todos a mesma sigla: PPPPP, Partido Pela Predação do Patrimônio Público, porque tudo o que seus membros aqui almejam é abocanhar a parte deles.
Agora vêm com essa novidade da lista fechada. Se já não nos é permitido dar palpite no uso do nosso dinheiro, daqui a pouco nos tirarão o direito de escolher nossos governantes. Ou seja, seremos mandados pelas organizações oligárquicas e caciquistas dos partidos. Seremos uma “democracia” governada por conluios e manobras escusas. Ou por 171, como queiram."

( Trechos de artigo de João Ubaldo Ribeiro, ''Se reformarem é para piorar.''
 (01 novembro 2011 )
http://academia.org.br/artigos/se-reformarem-e-para-piorar

10 março 2021

Flavio Colin, desenhista de quadrinhos, um cara muito especial.

Um dia um anjo torto me colocou o dedo na testa e me disse: "Vai Setúbal, ser desenhista de quadrinhos na vida." Instantâneamente empolgado, pensei: "Caraca!, estou acima dos outros. Um anjo, um emissário do Onipotente, me tocou a testa e me fez um cara especial". Sim, fizera mesmo, e eu - ainda um meninote e neófito - a meio um desmedido deslumbramento, lesto e presto saí por aí empolgadíssimo, rabiscando tudo o que via a minha frente, feliz por poder fazer coisas que outros não sabiam fazer. E estas gentes vinham e me circundavam com olhos embevecidos a cada ainda incipiente traço que eu traçava para maior gáudio do meu já mui inflado ego. Até que um dia me caíram às mãos revistas com os desenhos de Flavio Colin. Meus olhos saltaram em órbita, meus joelhos tremeram, meu coração disparou um retumbante som de percussão. Que traço maravilhoso, que desenho personalíssimo, seguro! Quanta criatividade ao desenhar personagens apaixonantes, indumentárias, animais, natureza, cenários! Seus traços transmitiam aos meus olhos de leitor o clima requerido por cada cena, drama, tensão, terror, humor, mistério, expectativa, medo, pavor, erotismo, alegrias. Um sentimento difícil de se traduzir em palavras tomava conta de mim a cada nova conferida naquelas maravilhas em preto e branco, sensação que se mostrou perene ao longo de minha vida. Desde seus primeiros trabalhos Colin desenhava quadrinhos como um experimentado Mestre, autêntico, legítimo, anos luz à frente de tantos bons profissionais.
Atônito, um tanto frustrado, meio jururu, voltei ao tal anjo e lhe disse: "Pô, bró...fiquei feliz por saber desenhar, mas eu queria mesmo é que meus desenhos fossem assim, tão maravilhosos como os deste cara". Inabalável, com boa dose de enfado, olhar blasé e ares de este-cara-já-tá-querendo-demais, foi em um tom bem pouco angelical que o anjo redarguiu: "Nada posso fazer, meu caro. Mesmo entre os especiais há aqueles que são, digamos... bem mais especiais que os outros. E meu chefe vive dizendo, amizade, que Flavio Colin, é um cara muito, muito, muuuuito especial!"
(120414)

07 março 2021

Gutemberg Cruz, o indecifrável Coringuto

A lindíssima mostra com trabalhos do cartunista Lage que rolou não faz muito tempo na Caixa Econômica da Rua Carlos Gomes nesta afrobaiana Soterópolis, significativa e comovente, foi produzida por Alice Lacerda e Nildão, constituindo-se uma homenagem tocante e mais que justa para um cara de um talento raro que nunca encontrou similar no mundo dos cartuns. Encheu nossos olhos de prazer, nos envolvendo o coração com uma emoção finíssima, conduzindo-nos a uma alegria reconfortante. Estive por lá como fã, como amigo, como colega de traço e até ministrei uma oficina de caricaturas. Tudo que envolveu Lage em vida teve sempre um elevado astral. E nada parece haver  mudado, pois muita coisa boa me aconteceu nas várias vezes que por lá apareci. Uma foi rever meu brodinho Gutemberg Cruz, jornalista e crítico de quadrinhos, gente finíssima,  fundamental incentivador dos cartunistas baianos. Fiquei assaz impressionado com o Guto que de tanto gostar, pesquisar, consumir, ver, ler, de muito entender e devorar quadrinhos pareceu-me a cada dia ficar mais parecido com os personagens das páginas agaquesísticas. Guto tem horas que fica a cara feita a nanquim do Coringa, The Joker, com direito a risos indecifráveis, esgares arrepiantes, gestual de saltimbanco, proferindo falas carregadas de dubiedades e mistérios insondáveis. Está dando pinta de que qualquer dia desses cada vez que ele falar suas palavras virão acondicionadas em um balão de HQ com direito a lotes de onomatopeias do conhecido vilão galhofeiro. Santo irmão gêmeo, Batman! Esta missão começa a ficar perigosa, Seu Nildão!

Gutemberg Cruz, crítico de Histórias em Quadrinhos, falando sobre o SketchBook de Setúbal pela Editora Criativo.

Gutemberg Cruz e Gonçalo Junior, duas feras da imprensa, dois dos principais estudiosos e críticos das histórias em quadrinhos, são baianos. Para minha fortuna, ambos gostam de meu traço, de meus trabalhos como ilustrador, quadrinista, caricaturista e cartunista. Sorte minha. Esta semana, lendo o blog de Gutemberg Cruz, encontrei esta postagem em que ele comenta sobre o Sketchbook da Editora Criativo, de São Paulo, dedicado aos meus trabalhos de desenhista. A Carlos Rodrigues, da Criativo, a Gutemberg e a Gonçalo Junior meus mais sinceros agradecimentos.
Registro do artista gráfico Setúbal pela EDITORA CRIATIVO, de SP
Sketchbook é um caderno rascunho para registrar ideias e composições para posteriormente transformar em pinturas em telas ou usar outro suporte como papel e aquarela ou outro tipo de técnica. Alguns fazem os rascunhos e deixam dessa forma em cadernos. Servem para registrar a evolução do artista nos desenhos. E é isso o que a Editora Criativo está fazendo. Já lançou mais de 90 álbuns com os trabalhos de diversos artistas gráficos brasileiros.
O volume dedicado ao baiano Paulo Setúbal registrou o trabalho do artista com esboços e artes-finais em vários estágios, estilos e técnicas, tiradas de seu acervo pessoal, num flagrante não convencional de sua produção ao longo da carreira. O objetivo da coleção é formar uma grande galeria com os mais diversos estilos e traços, indo de nomes consagrados a iniciantes, incentivando o talento individual. Os álbuns têm acabamento com a qualidade, 64 páginas, papel off-set 150g, capas cartonadas com orelhas, no tamanho 21x28 cm, e mostram como cada profissional do desenho é um universo empírico e individualizado, seja ele um autodidata ou com formação acadêmica, havendo alguns pontos em comum na forma de criar e desenvolver os trabalhos.
Paulo Henrique Setúbal é cartunista, ilustrador, desenhista, argumentista, roteirista de quadrinhos, autor de textos de humor e artista plástico. Assina seus trabalhos como Paulo Setúbal ou simplesmente Setúbal. Nasceu na cidade de Candeias, na Bahia, onde viveu até os 9 anos de idade. Nesse período, as revistas de quadrinhos e o cinema eram suas grandes paixões, as primeiras inspirações e os elementos motivadores para seus primeiros desenhos. Buscando reproduzir o que via nas telonas e nos gibis, começou a desenhar e nunca mais parou. Quando seu pai, paulista de Pindorama, resolveu retornar para o interior de São Paulo, inicialmente, a família morou em Bauru por três anos. Pindorama, a terra natal do patriarca, foi o destino seguinte e ali viveram por dez anos. Com a morte do pai, a família mudou-se para a capital paulista.
 Em Sampa, disposto a fazer quadrinhos profissionalmente, buscou todas as informações possíveis a respeito dessa arte. Essa busca o levou a procurar o desenhista e editor Minami Keizi, que lhe indicou o também desenhista Ignacio Justo, de quem recebeu inúmeras e valiosas orientações que muito o ajudaram a fazer evoluir o seu desenho. Pensando em aprimorar-se, passou a cursar a Escola Panamericana de Artes, embora seu aprendizado tenha, em sua maior parte, acontecido mesmo de forma empírica.
Passando a residir em Salvador, iniciou a colaborar profissionalmente com jornais e revistas da imprensa baiana. Nela, trabalhou por mais de duas décadas, produzindo charges, caricaturas, cartuns, tiras, histórias em quadrinhos, pôsteres e ilustrações. Fez ilustrações para dezenas de livros de autores diversos. Como cartunista e caricaturista, colaborou com a imprensa alternativa, participou de diversas exposições coletivas e individuais, tendo também participado de Salões de Humor, havendo sido premiado no Salão Internacional de Humor de Piracicaba. Atuando como artista plástico, fez igualmente diversas exposições, coletivas e individuais, tendo sido premiado por duas vezes com suas pinturas em Salões da Fundação Cultural do Estado da Bahia. Tem telas adquiridas por colecionadores da Espanha, Portugal, França, Espanha e Itália, entre outros países do mundo.
Sobre o artista, comenta o pesquisador Gonçalo Júnior: “Setúbal é original, dono de um traço único, singular, personalíssimo. Ao mesmo tempo, traz em sua arte todo o sincretismo de raças, credos e ícones da cultura baiana e nordestina – tento de Salvador quanto do interior. Como o cordel e a xilogravura. Desde o começo de sua carreira, que ganhou ênfase nas páginas do jornal A Tarde, até a produção mais recente, Setúbal tem demonstrado talento tanto para a caricatura e o cartum como para a ilustração, para a imprensa e capas de livros e a história em quadrinhos – linguagem próximas, porém com características próprias”.
Mais informações sobre o artista, leia:
SETÚBAL: “Desenhar, para mim, é abraçar o mundo e a mim mesmo”

                   QUEM SOU Eu 
     GUTEMBERG CRUZ
Jornalista profissional formado pela Escola de Biblioteconomia e Comunicação da UFBa em 1979. Registro Profissional DRT-BA 761. Atuou nos jornais Tribuna da Bahia, Diário de Notícias, Correio da Bahia, A Tarde e Bahia Hoje como repórter, redator e Editor de Cultura. Atuou ainda na Rádio Cruzeiro da Bahia (repórter), Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia (gerente de produção), TV Itapuã (produtor) e rádios Piatã e Bandeirantes (produtor de programas). Atualmente exerce a função de Coordenador de Comunicação na União dos Municípios da Bahia.

Horóscopo de Vinicius de Moraes: Mulher de Peixes

Mulher de Peixe...peixe é
Em águas paradas não dá pé
Porque desliza como a enguia
Sempre que entra numa fria.
Na superfície é sinhazinha
E festiva como a sardinha
Mas quando fisga um namorado
Ele está frito, escabechado.
É uma mulher tão envolvente
Que na questão do Paraíso
Há quem suspeite seriamente
Que ela era a mulher e a serpente.
Seu Id: aparentar juízo
Seu ego: a omissão, o orgulho
Sua pedra astral: a ametista
Seu bem: nunca ser bagulho
Sua cor: o amarelo brilhante
Seu fim: dar sempre na vista.
(21/10/13)

01 março 2021

Cartunistas que optam pelo fascismo, o escritor João Ubaldo Ribeiro, o golpe de 2016 e a verdade apunhalada..


Tenho alguns amigos em alta conta, estimo-os, a eles dedico sincero e desmedido afeto. Que imenso iceberg de tristeza toca minh'alma quando qualquer um deles me revela suas concepções políticas com argumentos oriundos de noticiários de revistas e mídias asquerosamente falaciosas tal como a revista Veja, que já teve dias melhores nos tempos dos Civittas, mas sempre fez opção pelos mais ricos, privilegiados e poderosos, categoria em que se inserem. Esses amigos aos quais me refiro, também costumam cultivar o nada salutar hábito de beberem sofregamente na fontes envenenadas da Rede Globo, JN e GloboNews, comentários da nada digerível de Miriam Leitão. A Rede Globo, sabemos todos muito bem, é propriedade 
da mafiosíssima famiglia Marinho, sendo um dos maiores mananciais de fakenews deste patropi, e de deplorável manipulação dos fatos, sempre ocultando, sonegando ou distorcendo informações por interesses escusos. Recentemente veio à tona a participaçào direta dos Marinhos/ Rede Globo na conspiração em atos de lesa-Pátria feitos sordidamente em cumplicidade com certos juízes, procuradores, CIA e FBI, coisa de estarrecer. Tal conspiracionismo possibilitou o golpe de 2016, uma sabotagem contra a democracia brasileira que colocara no poder um partido ligado ao trabalhismo, coisa que os ricos, os privilegiados e os manipulados soem abominar. 
Voltando aos referidos amigos meus, quando alguns deles me fazem indagações sobre a atual política, partindo do lixo plantado em suas cabeças que creem iluminadas, eles o fazem munidos de absurdas inverdades e vão, convictos, despejando cachoeiras de sofismas ao usarem como argumento as falaciosas acusações veiculadas pelos ditos "órgãos de imprensa", assim com aspas mesmo, por serem valhacoutos de gentes que, a troco de polpudos numerários, lançam mão das mais desonestas falácias, dos mais aberrantes textos putativos e apócrifos para convencer os incautos de que o que dizem e pregam é a expressão da verdade. Desta forma, os citados amigos, nivelam-se àqueles que não podendo frequentar escolas, cresceram profundamente alienados. Disse que sigo gostando desses amigos e gosto muito por qualidades que possuem, mas diante dessas derrapadas diminuíram em muito no conceito que deles eu tinha anteriormente, constrange-me vê-los acomodados - e em péssima companhia - numa canoa furada. Para se aboletar em tão perfurada embarcação, só mesmo quem não é dotado de poder de discernimento, ou quem desconhece a História e as tenebrosas malfeitorias dos mafiosos Marinhos et caterva, com seus envolvimentos, digamos, suspeitosos com a abjeta ditadura militar brasileira de triste memória para quem não engrossa o cordão do autoritarismo. Lamentável é dizer que por aqui não faltam multidões de estultos e de escrotos que glorifiquem essa infame ditadura e que bradem pelo retorno de tão infaustos dias. Fui me tornando um cartunista por admirar o talento, a consciência, a lucidez e a coragem dos meus ídolos do cartum, gigantes como Millôr, Ziraldo, Henfil, Jaguar, Angeli, Laerte. Cartunistas sempre se caracterizaram por mostrarem em seus cartuns grande consciência social e política, desnudando o rei ante seus súditos, por livrar a cara dos desvalidos, dos injustiçados, dos que foram colocados à margem da sociedade. Mas atualmente é espantoso constatar que muitos e muitos que se entitulam cartunistas, de uma forma lamentável pautam seus cartuns, charges diárias e caricaturas pelo conteúdo veiculado pelas mídias mais falaciosas, contribuindo para induzir a um equivocado entendimento dos fatos a nossa população, por mais absurdo que isto possa soar. Dia desses meu amigo Santiago, genial cartunista gaúcho, publicou texto em sua rede social mostrando uma charge torpe de um velho desenhista que publicava na extinta revista Mad, em sua versão brasileira. Fiquei estarrecido ao constatar que o cara concebe e veicula ideias absurdamente fascistas 
 através de seus desenhos que, diga-se, são bons desenhos,  ainda que visivelmente calcados nos de Mort Drucker. As charges que vi deste cara são um poço de ódios, de visão deturpada dos atos e fatos e de preconceitos abjetos, coisa aberrante. Pior é saber que ele não está só, que outros usam o humor para caminhar de braços dados com o obscurantismo como vergonhosamente o fizeram, durante a construção do golpe de 2016, uns caricaturistas da supracitada Veja. 
Voltando às fontes, elas têm fundamental importância na formação dos nossos pensamentos, escolhas, postura política e social. Daí a importância de saber se a fonte em que você bebe é salutar, confiável, ou se é venenosa. Pensar o Brasil, buscar entendê-lo em suas minúncias, seus mistérios, mazelas, tesouros ocultos, males entranhados desde antanho, acertos e descaminhos, não é tarefa fácil como querem muitos precipitados em seus julgamentos levianos e superficiais alimentados pelas falácias ditas em TVs e revistas pertencentes a grupos mancomunados com os sórdidos que nos empurram goela abaixo suas torpezas. É necessário que usemos de cautela e que busquemos ler e ouvir o que dizem as pessoas idôneas com uma história de vida comprovadamente confiável. Gente cônscia, de grande inteligência, que conhece a nacão em seus mais intrincados pormenores, gente de ilibado proceder, que nos fale com clareza as palavras que possam nos conscientizar e nos livrar das mentiras convenientes aos arrivistas e venais, que beneficiem a todos com a verdade dos fatos. Como as encontráveis nos textos do respeitabilíssimo escritor e cartunista Luís Fernando Veríssimo, por exemplo. Ou como as do consagrado escritor João Ubaldo Ribeiro que estão neste texto direto em que ele discorre sobre as chamadas ''reformas de base'', esclarecedor, lúcido, acima dos conceitos ideológicos de esquerda e direita, em uma crônica intitulada "Se reformarem, é para pior", que é encontrável na internet, da qual repassarei, em futura postagem, trechos do que pensou e escreveu JUR a respeito do assunto. Mas já adianto aqui e agora o link para que vocês possam ler na íntegra o que o notável autor de "Viva o povo brasileiro" escreveu - para meu espanto e vergonhoso ceticismo - prenunciando golpe que se deu no ano de 2016, mas que poderia ter rolado antes ou mesmo depois, de acordo com a vontade e os interesses dos que se arvoram a serem donos do Brazil-zil-zil. Não porque fosse JUR uma pitonisa, apenas porque era um homem culto e muito bem informado que conhecia profundamente o Brasil, seu povo, suas eltes, sua História. 
Clique no link:
 http://academia.org.br/artigos/se-reformarem-e-para-piorar
( 03/04/15)

Siliconadas exageradas / Cartuns Popôlares

(180913)

31 janeiro 2021

Uma Confraria de Tolos no Brasil de tantos espertos

Um dos mais deliciosos e bem escritos romances que já li chama-se Uma Confraria de Tolos (A Confederacy of Dunces), de autoria do  escritor norte-americano John Kennedy Toole. Não é de surpreender se você, pessoa sobejamente culta que cultiva o salutar hábito da boa leitura, disser que nunca dantes ouvira falar ou lera algo a respeito desse livro ou de seu brilhante autor. Mesmo entre os devoradores contumazes de livros,  gente que lê tudo que lhe cai nas mãos, são poucos a conhecê-los.  Alguns detalhes talvez justifiquem a pouca informação existente como o fato do livro não haver sido lançado por nenhuma das  grandes editoras norte-americanas nem  ter sido amparado por suas mídias poderosas que tornam qualquer livro conhecido em todo o planeta, alavancando grandes vendas, mesmo que o referido livro não tenha de fato qualidades intrínsecas que o referendem como uma obra comprovadamente digna de figurar no rol das grandes criações literárias. Uma Confraria de Tolos foi publicada pela Louisiana University, onde Toole lecionara, numa afetuosa homenagem póstuma acontecida graças ao empenho de sua dedicada mãe e ao respeito e sentimento de solidariedade dos dirigentes da aludida Universidade.  Vale frisar que tal publicação só ocorreu em 1980, onze anos após sua lamentável morte em 1969. Com apenas 31 anos de idade, JKT deixou este mundo muito cedo, sem ver satisfeito em vida seu enorme desejo de ser reconhecido como o brilhante escritor que sempre foi. O Pullitzer que lhe foi outorgado postumamente atesta a elevada qualidade de sua literatura. Acredito que esses descaminhos e a falta de um reconhecimento mais amplo com o tempo haverão de ser superados pela qualidade do livro e John Kennedy Toole ainda virá a ser tido na conta de um escritor maior, senhor do seu ofício. Disto ele dá provas passeando seu talento por cada frase construída neste seu romance em que, imaginativo, surpreende o leitor a cada página, criando tipos insólitos - como seu personagem central, Ignatius Reilly – envolvendo-os todos em situações inusitadas, quase surrealistas, mas  sendo ao mesmo tempo tudo  muito real e tangível. Com segurança, JKT vai criando uma atmosfera para qual o leitor se vê transportado enquanto o autor transmite um recado que revela uma aguda visão crítica da sociedade que o circunda,  numa trama rica e envolvente alinhavada por  um humor raro, maravilhoso, que muito me encantou. Humor de alta qualidade que em passagem alguma soa gratuito, mostrando-se antes ser um humor consciente, refinado, bem dosado, questionador e - por mais paradoxal que possa soar - deliciosamente histriônico e o leitor atilado há de rir a alto e a bom som. Como admirador, faço votos para que um dia os críticos literários do nosso país deixem de lado por um momento certos best-sellers que rápido se volatilizam, esqueçam um pouco os livros de sucesso efêmero que soem figurar nas listas dos mais vendidos e possam descobrir a delícia que é Uma Confraria de Tolos e seu autor, John Kennedy Toole, como um dia o fez a Editora Record que não hesitou em publicar no ano de 1981 este livro que, em minha assaz modesta opinião de leitor, merece cadeira cativa na posteridade.
(201114)

26 janeiro 2021

O cartunista Biratan, o escultor Valtério e Setúbal na Ilha do Fogo .

Quando morei em Juazeiro, na Bahia, muito frequentei a Ilha do Fogo, fluvial ínsula situada bem no meio do largo Rio São Francisco, sobre a qual foi construído a quilométrica ponte Presidente Dutra. Lugar mais que aprazível, lá ia eu tentar meus tímidos mergulhos, tomar cerveja, comer surubim e ficar jiboiando nas areias claras sob o sol. Ali ciceroneei diversos amigos que lá iam me visitar e conhecer a cidade onde nasceram João Gilberto e Ivete Sangalo. Por diversas vezes recebi uma admirável dupla, o premiadíssimo cartunista paraense Biratan Porto, com seu bigode à la Nietzsche, e o perfulgente escultor baiano Valtério Sales, dileto filho de Ruy Barbosa -  refiro-me, é claro, à cidade, não ao famoso Águia de Haia em pessoa. Na Ilha do Fogo, em meio aos frequentadores habituais, gente do povo,  nos abancávamos os três em uma barraca improvisada e assim protegidos do causticante sol da região bebíamos alguns magotes de gélidas cervejotas e deitávamos falação sobre tudo e tantos. Ali, naquele espaço popular,  plenos da mais certíssima certeza, discutíamos os rumos desta nação auriverde, execrávamos seus corruptos, articulávamos maneiras de com nossas artes salvar de trágicos destinos o explorado e sacrificado povo brasileiro. Para nossa sempre renovada surpresa, sem prévio aviso, Valtério Sales livrava-se de sua bermuda jeans e, trajando uma sunguinha rosa-shocking de lycra, vistosa e despudoradamente sumária - porém preservando e mesmo esbanjando a mais viril das virilidades - nos mostrava ser ele um autêntico Johnny Weismuller redivivo.  Intimorato, com vigorosas braçadas, Valtério cruzava a todo instante as fortíssimas correntezas do São Francisco com elegância e raro destemor. Lépido e radiante, eis que Valtério mergulhava na Ilha do Fogo e ia dar lá em Petrolina. Sem descansar, célere, mergulhava em Petrolina e vinha dar novamente na Ilha do Fogo. Num átimo mergulhava de uma pedra qualquer da Ilha e ia dar lá em Juazeiro. Isto se repetia até o raiar do sol, ele mergulhando em um lugar para ir dar em outro, fazendo, com seus mergulhos, a alegria da garotada do lugar. O nobre Biratan Porto é testemunha de que o infatigável Valtério hoje morre de tristeza por saber que militares pernambucanos, talvez em comemoração aos 50 anos do golpe militar de 64, resolveram de forma reprochável proibir o acesso de moradores e civis em geral à Ilha do Fogo e destarte nosso amado escultor e cartunista está absurdamente impedido de exibir seu físico de Adonis, sua sunguinha rosa-shocking de lycra, sua arte aquática e sua invejável forma física na Ilha do Fogo. Lamentável, lamentável.
(060414)

22 janeiro 2021

Fauna baiana, Soterópolis, gringos


      Esta pintura é um painel de uns 2 metros de altura e de quase outros tantos de largura. Com pincéis e tinta acrílica levei um mês trabalhando diuturnamente nele e penso ter tido a felicidade de colocar uma boa mostra de considerável parcela da fauna humana da Bahia da qual sou integrante parte. Baianas preparando acarajé, gente dançando, namorando, mercando, papeando, rezando, olhando, nadando, sorrindo, indo, vindo, comendo, bebendo, dizendo, vivendo. Sob proteção de santos católicos e orixás. Um mês. E o resultado foi sentir um enorme prazer vendo o trabalho pronto. Ah, mas não se quedou muito tempo comigo, achou um dono melhor que eu que lhe deu uma parede assaz espaçosa com direito a spots em casa ampla, arejada, mui bem frequentada e se foi para bem distante da Bahia. Queria retê-lo por mais tempo para dar uma zoiadinha de quando em vez, lamber a cria, mas, qual um aracnídeo, vivo do que teço e sei que tal pretensão não posso ter. O que muitíssimo me faz lembrar de meu fraternal amigo Lima Limão, grande artista plástico e filósofo formado nos mais conceituados cabarés, bares, barracas, biroscas e visgueiras de Soterópolis. Respondendo a um abastado cliente que lhe indagara se em sua casa ele teria muitas pinturas de sua própria lavra, dá-se que Lima, humildemente, a sinceridade em pessoa, redarguiu ao argentário: "Quem sou eu, doutor, para ter um quadro meu? Isto é pro senhor, que pode!"
(171214)

19 janeiro 2021

O rumoroso caso de amor entre o jornalista Gonçalo Júnior e sua nona.

É com o precípuo escopo de tirar onda de gostoso e posar de intelectual versado em assuntos os mais diversos que passo uma razoável parte do meu tempo lendo o que bons autores escrevem. Não há qualquer intenção nobre nisto tudo, acreditem, pios leitores. Trata-se de meu rotundo e insaciável ego querendo alimentar-se de afagos e salamaleques, mesmo que através de mui imerecidos elogios. Já confidenciei a vocês mas, por garantia, mister se faz que eu volte a confidenciar, que ao assim proceder, lendo um razoável número de livros acabei desenvolvendo alguns traquejos e adquirindo certa prática para bem saber discernir entre os que em reduzido número são de fato bons autores e aqueloutros que em largos contingentes, cheios de pretensão e egolatrias vãs, de forma equivocada julgam que o são. Por exemplo, em matéria de competência, quando o papo são as Histórias em Quadrinhos, não vacilo, leio uma fera que domina o assunto de nome Gonçalo Júnior, respeitadíssimo na área. Gonçalo é jornalista atuante, dos mais conscientes da importância e dos verdadeiras propósitos de sua profissão, é fundador e editor da prolífica Editora Noir, em SP. Ele não se limita a ser uma autoridade na chamada nona arte, vai além, muito além disso, pois é também escritor com muitos importantes livros já publicados, argumentista de HQs, pesquisador incansável, é íntimo das palavras e, claro, do vasto universo dos quadrinhos. Tem uma ampla cultura geral o que lhe dá embasamento para tratar com propriedade de assuntos diversificados, conhece os terrenos em que pisa. Por seus conhecimentos vastos nos campos político e social, pela sua lucidez, sua clareza de pensamentos, seu compromisso para com o povo deste país tão vilipendiado e pelo respeito à profissão de jornalista que abraçou não lhe falta coragem para colocar o dedo na ferida quando necessário, não se limitando a ser um mero repassador de releases fornecidos por políticos ou editoras, hábito tão em voga nos tempos hodiernos. Se na História oficial há algo oculto nas entrelinhas, Gonçalo traz à luz, não acredita em determinadas verdades absolutas. Se há sujeiras sob o tapete, ele as revela a todos, intimorato que é, cônscio que é, ético que é. A participação de alguém da grandeza de Gonçalo só faz enobrecer a chamada nona arte, pela qual nutre imenso amor e evidente apreço. Seu olhar aguçado é guia confiável num mundo que por vezes é pródigo em indesculpáveis equívocos. Vale muito a pena dar uma busca na internet para se ter contato com os textos de tão brilhante autor ou, ainda melhor, ir a uma livraria de respeito e lá comprar os muito bons livros de sua autoria, entre eles, um dos mais lidos e emblemáticos, A guerra dos gibis. Textos escritos por Gonçalo são leitura imperdível, como se diz nos Cadernos Bês da vida.
(10/10/13)

Chiclete com Banana, Bell Marques e multidões.


No carnaval da Bahia, quando o Chiclete com Banana desponta nas praças, ruas e avenidas trazendo seu som potente e contagiante não há quem fique parado. É um sacolejo geral, amplo e irrestrito. Bell Marques, além de músico que tem o dom de saber levar alegria à multidão das ruas, não deixar ninguém estático, fazer todos cantarem, todos dançarem na mais contagiante empolgação, com essa sua banda Chiclete com Banana criou um estilo, um modo próprio de agitar a galera. Por tal façanha Bell ganhou uma vasta legião de fãs. Em virtude de meu trabalho de quadrinhos eis que um dia conheci Bell e tive a grata satisfação de ver que ele é um artista que não posa de inatingível popstar, porta-se como um cara simples. Em cima de um trio, Bell é um músico e cantor que possui enorme empatia com a massa de foliões e um imenso carisma pessoal. Euzinho, hedonista como costumam ser os que nascem nesta terra brasilis, sempre fui Chicleteiro, um a mais na imensa multidão, pulando, cantando, brincando, exorcizando os estresses. Há já um tempinho, Bell Marques, buscando trilhar caminhos próprios, saiu do Chiclete para tristeza dos fãs, mas a banda prometeu não deixar a peteca cair e continuar na estrada com o alto astral de sempre, promessa que vem sendo cumprida. Esta caricatura, com a qual ilustro essa chicleteana postagem, mostra uma formação antiga do Chiclete, do tempo que eu chicleteava por ruas e avenidas atrás da banda. Fiz em duas versões, ambas com a presença de  Bell Marques. Na primeira, o grupo segura uma imensa banana, que é a fruta que nomina o grupo. Nesta aí, como você, atilado leitor, bem pode ver, eles estão segurando uma espiga de milho, vez que de há muito as festas juninas fazem parte do calendário da banda. Mesmo que a canção do sempre sábio mano Caetano diga que atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu, já não me arrisco a enfrentar o sufoco das grandes multidões carnavalescas que seguem seus músicos preferidos através dos logradouros dessa soteropolitana afrocity. Não me aventuro mais a seguir o Chiclete com Banana e nem outros trios quaisquer, mas sigo sendo um Chicleteiro, ressaltando que, tendo eu um gosto musical beeeem diversificado, sou também um inveterado e fiel Mutanteszeiro, um Titãszeiro, um Mestreambrosiozeiro, Camisadevênuscommarcelonovazeiro, Naçãozumbizeiro, Sibaeafulorestazeiro, Chicobuarquezeiro, Caetanovelosozeiro, Raulseixaszeiro, um Genivallacerdazeiro, Jacksondopandeirozeiro e de quebra sou Zecabaleirozeiro. Viva a música brasileira, sua alegria e nosso santificado hedonismo!
(281013)

13 janeiro 2021

Diana Panton cantando Manhã de Carnaval em Francês. De arrepiar.

Diana Panton é uma cantora canadense que sabe cantar jazz como pouca gente. Para nossa fortuna ela adora Bossa Nova, é grande fã desse ritmo brasileiro que conquistou legiões de fãs planeta afora e vai daí, a moça já gravou diversas canções bossanovísticas. Diana tem uma daquelas vozes afinadas e doces, primordiais para cantoras que incluam em seu repertório a Bossa Nova, vozes que se encaixam suavemente na melodia, no ritmo, nas letras das canções como bem se pode ver nesse disco, aqui vertidas para o Francês e o Inglês. O resultado é belo. Entre outras preciosidades, ela canta Manhã de Carnaval, de Luiz Bonfá e Antônio Maria, canção que encantou o mundo integrando
a trilha do filme Orfeu do Carnaval, de Marcel Camus, premiado com a Palma de Ouro, em Cannes, e com o Oscar de melhor filme estrangeiro, nos EUA, o que redundou em enorme visibilidade na Europa e em grande número de países ao talento de uma geração fantástica de músicos brasileiros, entre eles Jobim e Vinicius, e consagrou Manhã de Carnaval, que foi gravada por uma legião dos mais formidáveis e consagrados intérpretes do planeta, inclusive por Frank Sinatra, cognominado The Voice. Esta interpretação de Diana emociona pela sua docilidade. É ouvir, se comover e diante de tamanha emoção, só resta dizer como diz o povão aqui na Bahia: "Vai matar o diabo!!"
(111214)

07 dezembro 2020

Madonna è mobile ou Do que uma mulher perdidamente apaixonada é capaz.

Em pleno inverno novaiorquino estava eu em meu badalado studio no Soho pintando um quilométrico portrait de Madonna que a própria diva pop, em pessoa, me havia encomendado, pagando-me adiantadamente e de forma régia. Ah, mas nem tudo são flowers na vida deste cultuado multimídia soteropolitano que vos mimoseia com estes textos que Oscar Wilde assinaria prenhe de orgulho. Para meu lamento, apesar de se dizer uma eterna ardorosa amante de Jesus, a blonde girl quando se reta vira uma nigrinha dada a barracos, bafafás, pitis e quiproquós. Só que euzinho também tenho lá meus calunduns e não sou de levar desaforos para minha cobertura do Upper East Side, em Manhattan. Assim, depois de um formidável lug-tail (arranca- rabo, para os não poliglotas) com a Material Girl, dei um sonoro so long para a ex - Sean Penn, peguei um jatinho e troquei a Big Apple por uma big moqueca de Papa-fumo - marisco de respeito - na Barraca Ó Paí ó, de Tia Marizete, lá em Cacha-Pregos, na baianíssima e assaz paradisíaca Ilha de Itaparica. Com direito a uma caipiroska de siriguela e uma loira geladíssima - e não estou me referindo à Madonna Louise Veronica Ciccone. Quanto à cantora, belatriz e quase atriz, conheço muito bem a fera. Não demora, passada a raiva ela me liga chorando copiosamente cheia dos "come back, come back". Mas desta vez garanto que não saio tão cedo do meu palacete no Vale das Muriçocas nem por todas as verdinhas da terra do Tio Sam. E qualquer integrante de fã-clube da pop star que apareça em meu recôndito valhacouto pedindo que eu ceda às súplicas da Queen of pop, será devidamente rechaçado por meus mastins e pitbulls. E se não debandarem correm sério risco de terem as partes pudendas abocanhadas por um deles e aí vão passar o resto da vida cantando "Like a virgin" com a voz em falsete qual um Farinelli pop.
 (310413)

Woody Allen visita a Sagrada Colina do Bonfim, na Bahia.

Sempre estoico e diligente, jamais sorumbático ou macambúzio, invariavelmente lépido, fagueiro, viril e altaneiro, dirijo-me no rumo da sagrada colina do Bonfim trajando brancas vestes como pede a última sexta-feira do mês aqui em Soterópolis, na Bahia. Envergando inconsútil túnica, lá vou eu para a igreja agradecer graças alcançadas a Nosso Senhor do Bonfim, Oxalá, nosso pai maior. Mal começo a subida, ouço às minhas costas alguém gritar meu nome: "Paulôôôôu!" Meu apurado ouvido de globetrotter e cidadão do Mundo experimentado reconhece o sotaque de Manhattan. Mas não reconheço a figura que me apela envergando caro e classudo chapéu panamá, uma medida do Bonfim no pulso esquerdo. Aproximo-me. Aquela tez alva, aquelas sardas no rosto, aquele cabelo ralo, os óculos fundo-de-garrafa não deixam margens a qualquer engano: é Woody Allen. Meses atrás eu estivera em NY e lá estando fui ao Café Carlyle, no Lower East Side, ver uma apresentação de Woody Allen and his New Orleans Jazz Band. No final, um produtor musical, amigo em comum, nos apresentou. A empatia foi mútua, conversamos e rimos muito. Ele então me disse que planejava visitar a Bahia quando arrumasse tempo para tal. Este dia chegou mais rápido do que eu pensava e agora lá está ele em carne (pouca e pálida) e osso (muito) ao lado de sua bela amada coreana, Soon-Yi, que vem a ser uma enteada de Mia Farrow - ex-Sinatra e André Previn - ficando a sino-girl famosa por ter sido um dos vértices do amplamente divulgado triângulo amoroso Woody-Soon-Yi-Mia Farrow. Mia, a despeito de ser uma celebridade, atriz afamada, reconhecida por ser pessoa de atitudes humanitárias autênticas e uma mulher vivida, ao fuçar qual uma noiva neurótica e nervosa, os intocáveis guardados do seu sagrado marido, acabou por descobrir que fora passada para trás. Aí armou um barraco sem precedentes, de deixar as maiores barraqueiras do subúrbio baiano de queixo caído. Minhas amigas me odiarão por isto mas, constatando de perto, estou mais que certo que o dito tímido Woody saiu ganhando amplamente ao trocar a barracante branquela por esta sílfide de tez levemente amarelada e oloroso hálito. Conversar com um intelectual brilhante como Woody Allen exige do interlocutor uma inteligência acima da média, que não tenho, conhecer filósofos e autores diversos. O homem é cineasta aclamado, ator, escritor e intelectual respeitado. Quanto a mim, tudo que sei sobre Proust é que ele vivia chegando atrasado aos compromissos, sempre correndo atrás do tempo perdido. De Goethe, que ele teve a luz cortada por falta de pagamento no fim da vida e pedia aos berros: "Luz, mais luz!". Se ao meu lado ouço alguém pronunciar "Nietzsche", digo logo: "Saúde!" Ainda bem que como soteropolitano tenho lá minhas manhas e quando Soon-Yi vira-se para olhar uns balangandãs, uns panos-da-costa e um sarado negão do Olodum, eu, com um ar vitorioso e com um incontível orgulho lanço não uma, mas duas indagações assaz pertinentes to my pal: "Woody, buddy, aqui entre nós... é mesmo verdade que as mulheres asiáticas, em pé estando, têm a perereca na horizontal?". "Em assim sendo, é fato que ao descerem nuas por um corrimão a sino-perereca emite ruídos tais como tchup!tchup!tchup!tchup!?" Ahá! Aposto que ele não esperava que eu enveredasse por assuntos tão relevantes e de tais grandezas e profundidades. Posso não ser um elevado intelectual mas sei que a humanidade tem dúvidas eternas que desde os primórdios a atormenta, tais como "Quem somos?" "De onde viemos?" "Para onde vamos?", além dessas duas questões que tasquei em cima do meu bom amigo judaico. Ele principia a articular resposta quando uma buzina o interrompe. É a limousine que vem apanhá-lo. De dentro desce um chouffeur a caráter que abre a porta do veículo de onde salta um alucinado agente que, dizendo "We are late!", empurra o casal para o interior da limo. De lá, a bela Soon-Yi e o nada belo Woody me acenam um "So long", um pouco constrangidos pela repentina saída . O luxuoso veículo dá a partida e segue voando. E eu, ao pé da colina sagrada, me quedo sem ter mais uma vez as respostas que deslindariam para mim dois dos mais antigos e intrigantes mistérios da Humanidade.
(040213)

28 novembro 2020

La Marijuana e seus efeitos benéficos e milacurosos sobre La Cucaracha adicta.

Tradicional, lúdica, assaz alegre, a canção popular mexicana La cucaracha, cuja letra aborda os percalços existenciais de uma barata coxa, é antiquiquiquiquíssima, sendo cantada mui provavelmente desde antes de la Revolución Mexicana. Pela simplicidade e tom lúdico de sua letra e pela alegria contagiante da melodia, a tal barata tornou-se mundialmente tão famosa quanto sua colega kafkaniana - ou kaftaniana, como diria certo apócrifo ministro da educação de um (des)governo de certo país cheio de equívocos - e esta singela canção logrou converter-se em patrimônio cultural da humanidade. Assim como a canção cubana Guantanamera, ela tem variadas letras que se encaixam numa mesma melodia e algumas versões remontam aos tempos de Pancho Villa e Zapata. Uma delas é essa que os bravos rapazes do Kumbia Kings Brown Jr. gravaram. Como o assunto é palpitante e de largo interesse popular, coloco de quebra a versão feita por aquele que mostra ser um legítimo sucessor de Miguel Aceves Mejia, quiçá um seguidor dos passos de de Chavela Vargas, el gran cantante Mario Baez, sendo que, com ligeiras variações, ambas as letras falam em marijuana, coisa seguramente mais antiga e popular que a popularíssima e contagiante canção, e que, segundo os aficionados, não dá cucaracha, digo, não dá barata, mas dá o maior barato. Se bem que se a gente ouve com a devida seriedade, percebemos nas entrelinhas contidas na letra dessa versão que, em verdade, ela traz em si nobres intenções e edificantes propósitos pois preconiza o uso medicinal da planta cientificamente conhecida pelo nome de cannabis sativa, nos dando conta de que a cucaracha é deficiente, sim, mas só não pode caminhar apenasmente porque lhe falta la marijuana pra fumar, de onde se deduz que, fazendo uso medicinal da planta, a deficiente cucarachita pode sair por aí lépida e fagueira e até mandar ver numa dança mariachi sendo, portanto, um santíssimo remédio, uma inquestionável panaceia. De qualquer forma, a prudência alerta para que ouçam a música com moderação, pois  os mais afoitos podem se viciar.
(020616)