09 novembro 2015

O escritor André Nunes,o Xingu e o Pará

André Nunes é paraense, um insular nascido e criado na fluvial Ilha do Arapujá , que fica bem defronte a Altamira, e que divide o Rio Xingu, importante afluente do Rio Amazonas. Um ribeirinho, sim, de boa cepa e com muito orgulho. Mas também é um cidadão do mundo, com ampla e benéfica visão social e política, um homem consciente, de rica trajetória existencial, culto, que ama sua gente, sua terra, a vida em toda sua plenitude. Tais qualidades somadas acabaram por torná-lo o notável escritor que é, inspirado, cônscio, senhor das palavras. Em seu livro Xingu, causos e crônicas, André nos permite embarcar em seu caxiri que seguramente nos conduz em instigante périplo por rios, igarapés, matas amazônicas, seringais em que se evidenciam quilombos, ditadura militar, cabanos, seringueiros, ribeirinhos, indígenas, caboclos, grileiros, pistoleiros, almas, corações e mentes num itinerário que envolve e emociona o leitor. A rica narrativa é construída pela privilegiada memória do autor que descreve em minúncias cada detalhe dos acontecimentos, por vezes poéticos, compostos pelo vôo de borboletas azuis, por vezes brutais, protagonizados por homens inclementes com suas motosserras rasgando o ventre da floresta amazônica, aniquilando flora e fauna, pelo massacres de inocentes e desvalidos, pela desfiguração e incerteza trazidos pela implantação de grande hidrelétrica. Acontecimentos que foram todos vividos com intensidade, plenos dos mais variados sentimentos e emoções diversas. Neles sempre se faz presente um humor contido, bem pessoal e uma declaração de amor à vida. Sem se valer de frases de efeito ou maneirismos inócuos, usando as palavras exatas com o domínio de escritor de notável talento que é, André sabe dar a cada narrativa o toque de emoção e verossimilhança, criando um clima envolvente e prazeroso que delicia e encanta o leitor. Seu texto sobre o Haiti, em luta desigual contra as grandes potências do mundo, é leitura que lança preciosas luzes sobre a forma de agir da velha e da nova Ordem Mundial. Quando escreve sobre o Pará, o carinho de André pelo chão, pelo seu círculo parental, pelos seus mais fiéis amigos e por toda a gente paraense se evidencia, e sua paixão pela terra se faz facilmente identificável em cada um de seus relatos e observações numa antropologia exata feita do mais tocante amor.
Aos interessados em adquirir um exemplar, mensagem para: andre@terradomeio.com.br