25 junho 2018

Lucien e Sigmund, ambos são Freud.




Quando as gentes do mundo se perdem ao buscarem explicações para coisas d'alma humana aparentemente insondáveis, soem dizer "Freud explica."  Mister se faz esclarecer que o Freud evocado nesta ocasiões é o Sigmund, cognominado "Pai da Psicanálise". Seu neto, Lucien, honrou o sobrenome e tornou-se também uma celebridade mas não pela via da Psicanálise. Era um notável artista plástico e faleceu em julho deste corrente ano de 2011. Chamado por um respeitado crítico de "o intérprete da carne e da psique humana na pintura", Lucien jogava na tela tintas pesadas, empunhava seus pincéis com segurança e fúria, fazendo dali surgirem figuras em atitudes e situações que o avô famoso teria que se virar mais que dançarino de hip-hop e usar de toda sua sabedoria psicanalítica para poder explicar ao mundo o que os trabalhos do neto podem almejar dizer. Alemão de nascimento, Lucien foi criado na Inglaterra onde fora morar aos 10 anos de idade e como cidadão britânico viveu até aos 88 anos. Um tempo bastante razoável para incomodar o conservadorismo britânico e o do restante do mundo, incluindo-se os artistas amantes da mesmice que povoam o planeta e a caretice geral que assola a raça humana neste imenso mundo, mundo, vasto mundo.
Para ver mais trabalhos do fabuloso Lucien Freud, basta uma navegada básica na internet, por exemplo, acessando o https://tarjapretarte.wordpress.com/2011/07/10/freud/
(19/09/2011)