17 novembro 2010

Uma poesia de Affonso Manta

Sempre é bom lembrar que a poesia maravilhosa de Castro Alves não é a única bela poesia que se faz nesta afroterra. Há por exemplo um poeta cujos versos sempre me enchem de prazer a cada releitura. Seu nome, Affonso Manta, bardo que nos veio de pequena cidade da hinterlândia baiana. Vejam só que beleza estes versos:
Job
Eu só tenho de meu a noite e o dia
E a tarde quando morre no poente.
Do banquete da vida estou ausente
Frequento as alamedas da agonia.
Eu só tenho de meu o sol e a lua
E o jardim que contemplo da varanda
E as meninas que brincam de ciranda
No silêncio geral da minha rua.