30 novembro 2016

Roberto Ferri, pintor italiano: um pouquinho mais de sua arte instigante.

Em postagem anterior brindei você, meu cordialíssimo e sapientíssimo leitor, com uns belíssimos trabalhos de um pintor italiano ainda jovem mas extremamente habilidoso no manejo dos pincéis e tintas que segue uma linha clássica de pintura. O nome do ragazzo é Roberto Ferri, um cara veramente meraviglioso. A galera que acompanha este troppo piccolo blog curtiu muito os instigantes trabalhos do itálico pintante. Adesso volto a carga com mais uma dose do talento do signore Ferri para degustação geral da nação. Links até o trabalho de Ferri: http://www.robertoferri.net/ e http://robertoferripittore.blogspot.com/ . Auguri.
(121214)

29 novembro 2016

Roberto Ferri, fabuloso artista plástico da Itália na atualidade.

Da Vinci, Michelangelo, Giotto, Rafael, Caravaggio, Veronese, Ticiano, Modigliani. A Itália sempre brindou o mundo com pintores magníficos e com deslumbrantes escolas de pintura ao longo da História da humanidade. Uma bela tradição que se mantém até os dias atuais, basta ver as pinturas feitas pelo talentosíssimo italiano Roberto Ferri, artista que maneja com maestria pincéis e tintas, mostrando ter a habilidade natural dos grandes, dos maravilhosos Mestres da pintura italiana. Sim, a Itália é pátria dos diversos gênios da pintura acima citados e pelo jeito esta história de DNA faz toda a diferença, pois fácil é concluirmos que Ferri traz no sangue um talento atávico vindo de um dos seus compatriotas, Mestres reverenciados em todo o planeta. Para você que gosta de arte feita com talento vale a pena visitar o site e o blog de Roberto: http://www.robertoferri.net/
e http://robertoferripittore.blogspot.com/  
(101014)

27 novembro 2016

Raul Seixas e Marcelo Nova: rock na veia e porrada na cara!


Hoje é dia de rock na Concha Acústica do Teatro Castro Alves neste verão de 88. Tá rebocado, meu compadre, tem rock do bom na veia e é em dose dupla: Raul Seixas e Marcelo Nova. Não sou roqueiro de carteirinha mais sei o que é bom. Ao show seguramente maravilhoso que Gal fará no palco principal do TCA logo mais, prefiro o rock que rolará na Concha. E vou a caráter, blusão de couro, jeans e brilhantina no cabelo que é para entrar no clima. Raul está com a saúde abalada pelos excessos cometidos, teme-se o pior. Marceleza surge em cena qual um anjo de blue jeans, organiza shows com o amigo, viagens e até um disco, A Panela do Diabo. Motiva o Maluco Beleza que se revigora. Agora ambos estão se revezando no palco, desfilando suas canções que todos os roqueiros sabem de cor e cantam juntos com os ídolos. Empolgado com o entusiasmo da plateia Raul emenda uma música após a outra e o concerto se prolonga para deleite do público apaixonado. De repente, atrás de Raul percebo uma coreografia que não faz evidentemente parte do show. Marcelo Nova, enfurecido, está descendo o braço com vontade na cara de um cabeludo. Quando parte do público percebe, começa um coro de "bota pra fudê!" que é a senha pro eterno líder do Camisa de Vênus encher com renovadas muquetas a fuça do sujeito. Um último gancho de direita o arremessa ao poscênio de onde, nocauteado, não retorna. Nova vem para o lado de Raul, empunha o microfone e brada: "Este aqui ao meu lado é o maior artista de rock deste país! Nenhum canalha irá desrespeitá-lo em minha presença. Ele é o maior de todos, ele é Raul!" A platéia enlouquece e renova, ainda mais alto, o grito de "bota pra fudê!" Fico sabendo depois que o cabeludo surrado seria um produtor musical que queria encerrar na marra o show dos roqueiros alegando razões de pauta, horário, conflito de entrada e saída com o público do show de Gal e sei lá mais o quê. Aprendeu da forma mais dura a lição do Professor Marceleza: o respeito aos ídolos autênticos está acima de razões mais comezinhas. Poucos meses depois, o coração debilitado do homem da Sociedade Alternativa cantou e dançou seu derradeiro rock neste mundo. Sabendo que tem tanta estrela por aí, pra alguma delas lá se foi Raul numa carona com o moço do disco voador. Mas naquela noite de verão, ali na Concha Acústica, as duas maiores estrelas do rock nacional brilharam tanto e tão intensamente que os afortunados que lá foram jamais poderão delir de suas mentes e de seus corações essas lembranças. Marcelo Nova jogou duro, botou pra fudê como manda o figurino roqueiro. E Raul... bem, Raul foi Raul. E não era preciso nada além disso. Titirrane, Raulzito. Titirrane!
(10/10/12)

O cartunista Simanca, Fidel Castro, Cuba e Bahia


 É do bravo comandante Fidel Castro o olhar nostálgico que perlustra o mar caribenho nesta tépida noite de estio em que intenso plenilúnio ilumina toda esta Baía dos Porcos. Doces reminiscências povoam a mente de El Comandante certamente evocando pelejas vitoriosas contra esbirros enviados pelos porcos imperialistas ianques em pretérito não muito distante aqui neste mesmo cenário. Aboletado sobre uma pedra, Castro abre uma caixa de madeira onde guarda um tesouro: seus puros cubanos. Retira um, acende e saboreia cada baforada demonstrando um inebriante prazer. Neste momento entra em cena um outro personagem, o jovem cartunista cubano Osmani Simanca, ainda um novel, que por ali vai passando. O dibujante saúda Fidel e solicita dele um dos charutos para poder desfrutar também daquele prazeiroso momento. Com chispas nos olhos e mão no gatilho o guerrilheiro vocifera: "Que puerra es esta, pendejo?! Querendo hacer socialismo moreno con mis puritos?! Sarta fuera, bundón!!" O jovem Simanca, assustado, balbucia em solilóquio: "Hay que adolescer, péro sin perder mi gostosura!" Aí, para preservar sua vida que ainda adolescia, tratou de ir saindo de fininho praguejando em voz baixa contra todos os socialistas insulares e seu barbudo líder. Temeroso de uma retaliación nel paredón, tratou de se picar da ilha embarcando em uma lancha que fazia a linha Havana - Isla de Itaparica. De lá pegou um ferry-boat para Soterópolis. Aqui chegando, tratou de invadir a redação do jornal A Tarde armado de lápis, pena e pincel, preconizando que chegara o momento de se fazer uma revolução gráfica. Passou-se já um bom tempo e ainda assim Simanca deixa evidente em suas charges feitas para o periódico baiano que não perdoou Castro até hoje hoje pelo episódio ocorrido entre ambos naquela noite na Baía dos Porcos. Não quer nem saber se Fidel, por ordens médicas, já não fuma mais seus puros e, já provecto, passou o poder em Cuba para o hermano, Raúl. Isso nada animou Simanca a retornar para a isla que é dele tanto quanto de Célia Cruz, Bola de Nieve, La Lupe, Perez Prado e do Buena Vista Social Club. Vivendo na Bahia todo este tempo, abaianou-se de tal forma que já não quer mais saber de beber mojito en La Bodeguita, prefere entornar umas caipirinhas no Mercado das Sete Portas. E já não dança salsas nem rumbas, só quer saber mesmo é de quebrar em sambões. Tornou-se mestre de capoeira, não perde um Ba-Vi e já está providenciando mudar seu nome para Osmani Caymmi Amado Rocha Ubaldo Veloso Gil Simanca.
  Para ver mais trabalhos de Simanca, clique no link: http://simancablog.blogspot.com/  
(24/10/13)

26 novembro 2016

Bola de Nieve, um artista maior de Cuba / Uns caras que eu amo 7

Ignacio Jacinto Villa Fernández. Se você sair por aí perguntando quem conhece esse grande pianista, cantor e compositor cubano, certamente ouvirá sonoras negativas. Mas se a pergunta for “você conhece Bola de Nieve?”, sempre haverá os mais atentos que dirão conhecer. Bola de Nieve era o apodo dado a Ignacio Jacinto. Com ele acabou virando uma lenda de uma música de alta qualidade produzida em Cuba, que findou por apaixonar gente de todo esse planeta azulzinho. Caetano Veloso gravou canções desse grande artista cubano que sua mãe, Dona Canô, cantava para ele em sua infância, e volta e meia se refere a ele elogiosamente. Pedro Almodóvar, cujos filmes primam também pelas belíssimas trilhas sonoras, incluiu a voz única de Bola de Nieve em pelo menos duas de suas películas de sucesso, La ley del deseo (Déjame recordar) e La flor de mi secreto (Ay amor), sendo que nesse último uma frase da linda composição de Bola de Nieve integra-se ao roteiro ao ser citada por um dos personagens da trama. Tempos houve em que as canções cubanas reinavam soberanas entre os amantes da música mundo afora. Orquestras, bandas, cantores, cantoras, percussionistas, pianistas e instrumentistas diversos interpretavam mambos, rumbas, salsas, chachachás, boleros e outras maravilhas sonoras. Bola de Nieve tornou-se um mito cantando divinamente e, além do Espanhol, cantava em Português, Francês, Inglês, Italiano e até em Catalão. Seus dotes eram muitos e com eles encantava plateias mundo afora. Cantava bonito e interpretava com alma as suas canções nesses idiomas diversos, tocava piano de forma linda e bem pessoal, conversava com o púbico com empatia. E compunha canções que adentraram a História da música popular cubana e se perpetuaram. Mister se faz dizer que Bola de Nieve teve que lutar duramente contra obstáculos difíceis em sua trajetória artística, como o racismo e a homofobia. Mas sua genialidade visível na sua maneira pessoal, apaixonada e única e até teatral, de tocar o piano e interpretar canções, acabou por prevalecer e músicas que compôs ou que interpretou se perpetuaram gritando bem alto o seu talento difícil de ser igualado. No seu repertório há uma vasta quantidade de tesouros, entre tantos, para nosso orgulho pátrio, está a canção Faixa de Cetim, do carioquíssimo mineiro Ary Barroso. Dos inúmeros sucessos de Bola de Nieve vale citar canções como La Flor de la canela, Ay amor, Drume negrita, No me comprendes, Ne me quitte pas, La vie en Rose, Dejame recordar, Vete de mi, Ay Mama Inés. Fácil, muito fácil amar a Arte maior de Bola de Nieve.
(020916)

25 novembro 2016

Paulo Paiva, Mestre Shaolindo / Pintando o Set 6

Talento e competência são virtudes que nunca faltaram ao Paulo Paiva em sua longa trajetória no universo editorial dos quadrinhos e dos cartuns onde sempre foi respeitado qual um sábio Mestre Shaolin por todos nós, seus gafanhotíssimos discípulos. But nobody is perfect - como diria Bill Shakespeare - e Paiva não deixa de ter seu lote de pecadilhos. Por exemplo, morando há tanto tempo em Sampa insiste em não ser torcedor do glorioso e retumbante Corinthians, o Campeão dos Campeões eternamente dentro dos nossos corações. Imperdoável. Mas a coisa não para por aí, tem mais, tem mais: Pepê foi sempre um temido criador de abomináveis trocadilhos infames, um martírio para meus refinados pavilhões auriculares de scholar, pessoa com elevada sapiência e dotado de raro refinamento cultural. O mundo deu giros e giros, o tempo passou para todos e muitos que eram aloprados adolescentes amadureceram e hoje são circunspectos senhores. Paiva, no entanto, parece insistir em se perpetuar na adolescência vez que esse sujeito não honra suas cãs, insistindo em ser um cara muitíssimo abusado e forgado o que me deixa assaz indignado. Volta e meia esse sacripanta faz uns desenhos e contando com a cumplicidade de Suely Hiromi Furukawa - um mix de esposa, enfermeira e comparsa - me envia pela Net umas caricaturas da minha intocabilíssima pessoa, coisa que bastante incomoda meu justificadamente inflado ego e que muito me exaspera. Qualé, Pepê? Perdeu a noção do perigo, cara?! Você e Suely em um pretérito dia passaram a lua-de-mel aqui nessa afro-terra chamada Bahia e sua pessoa sabe bem que os legendários Mestres Bimba e Pastinha me ensinaram in persona as artes e as astúcias da capoeira, que sob minha aparência dócil e meu jeito humanitário e pacifista oculta-se um beligerante capoeirista cordão branco, inclemente para com desafetos e desavisados que atravessam meu nobilíssimo caminho. Se liga, meu rei!
PS: Fiéis e preclaros leitores, errar é o Mano (Menezes) e eu errei gravemente. Pepê pode ter todos os defeitos contidos no cardápio da raça humana, mas o imperdoável deslize de não ser corintiano, ele não tem. Pepê é, sim, e com todo orgulho, um fiel torcedor do Todo Poderoso Timão e, portanto, um Bi-Campeão do Mundo tanto quanto o sou. Contrito, peço perdão ao Pepê por tão grave crime de lesa-majestade-torcedor que cometi de forma infame e assaz abjeta devido à minha infalível memória que ultimamente anda falhando muitíssimo. Meus mais humildes pedidos de perdão ao nobre, ao magistral, ao perfulgente Mestre cartunístico e quadrinhístico.
(20/03/13)

22 novembro 2016

Riachão, o samba da Bahia na primeira pessoa do singular

O samba feito na Bahia tem cara, corpo, jeito, elegância, doce malícia, muita ginga e sabedoria ancestral. Tudo isto concentrado numa só figura, aliás, uma figuraça, um menino chamado Riachão, nascido em 14 de novembro de 1921, que completou há uma semana 95 aninhos de existência, bem vividos em rodas de samba nas noites da Bahia. Com muito samba, naturalmente, principalmente os de autoria do próprio Riachão, compositor considerado um inspirado cronista do cotidiano pelas suas letras que reproduzem a realidade com um viés bem popular. Esse seu estilo pessoal de compor mereceu gravações de personalidades como Jackson do Pandeiro, Caetano Veloso e Gilberto Gil e de muita gente boa mais. Um dia, a cantora Cássia Eller, encantada com o balanço, a ginga, a malemolência, a criatividade e a contagiante alegria de Riachão, gravou sua composição "Vai morar com o diabo", em que ele relata suas agruras por viver ao lado de uma mulher que não quer nada com o batente e ainda exige luxo. A exemplo do que acontecera com a gravação de Caetano de Cada macaco no seu galho, a deliciosa versão de Cássia Eller para a música de Riachão deu intensa visibilidade a um dos sucessos deste sambista baiano tão amado que sempre desfilou pela vida com seu charme singular, sua alegria retumbante, seu brilho intenso. Riachão, o samba na primeira pessoa, o próprio povo da Bahia com toalha e muitas contas coloridas no pescoço, chaveiro pendurado na calça, anéis nos longos dedos negros, boné na cabeça, bigodinho estiloso, e com um riso gostoso nos exibindo sua galhardia e seu passos harmoniosos de sambista maior pelas ladeiras da afrobaianidade nagô. Riachão, rei do samba na terra em que o samba nasceu, como atestava o carioquíssimo poeta e compositor Vinicius de Moraes. Axé, Riachão, meu rei!

18 novembro 2016

Manezinho Araújo, o Rei da Embolada / Uns caras que eu amo 8

"Imbolá, vô imbolá, eu quero ver rebola bola, você diz que dá na bola, na bola você não dá." Tais palavras são de uma composição de Zeca Baleiro e você que gosta do trabalho do cara, certamente já o ouviu cantar essa melodia de ritmo e letra instigantes. Trata-se de uma embolada, gênero musical que se ouvia muito do final dos anos trintas até os anos cinquentas e que, em certa medida, é um ancestral do rap. Você, leitor dotado de seletíssimo ouvido e de acendrado gosto musical, sabe bem que Baleiro prima pela mistura de ritmos, pelas composições originais e ecléticas, que podem misturar batidas pop com diversas ritmos regionais do nordeste brasileiro, entre otras cositas. Mas não é o sempre magistral Zeca Baleiro o motivo maior dessa postagem, ele aqui é apenas o fio condutor para falar do Rei da Embolada, título que pertence ao genial Manezinho Araújo, compositor, cantor e pintor nascido em Pernambuco em 1910. Manezinho iniciou sua carreira profissional após um inusitado encontro com Carmen Miranda ocorrido em um navio, no tempo em que ele servia a Marinha do Brasil. Durante a viagem, estimulado pelos colegas marinheiros, Manezinho cantou suas emboladas para a Pequena Notável. Ela adorou, seu empresário e sua comitiva, idem, idem. Disso veio o convite para ir ao Rio de Janeiro buscar a sorte nas rádios para nelas cantar profissionalmente, o que acabou acontecendo e Manezinho foi muito bem sucedido, sendo contratado por uma boa gravadora que com ele gravou diversos discos. Na embolada estão amalgamados o lúdico, a alegria, a malícia, a sátira ferina, uma boa pitada de molecagem popular, muita criatividade e, sobretudo, doses maciças de humor e da mais pura brasilidade. Uma das coisas positivas da internet é que ela vem sendo usada como importante registro da História e um meio de preservação da memória popular. Nela podem ser encontradas gravações memoráveis, históricas, para o deleite de quem não se limita a ouvir ouvir apenas e tão somente a onda musical do momento. Quem gosta do que é bom, há de gostar de ouvir os sucessos de Manezinho Araújo, Pra onde vai, valente?, O carreté do Coroné, Coitadinho do Manezinho, A metraia dos navá, Cuma é o nome dele? Dezessete e setecentos, e outros mais. Todos deliciosos e bem brasileiros. Viva Manezinho Araújo! E que ninguém bula com Mané do Arraiá!

Norman Rockwell / Uns caras que eu amo 3

Na Internet temos todos acesso a um incalculável número de belíssimas ilustrações digitais. Artistas realmente habilidosos produzem-nas com inegável competência e é sempre bom ver muitas delas porque são realmente magníficas, deliciosas. Mas uma ideia me ocorre sempre: Norman Rockwell era um artista fantástico que fazia tudo isso que fazem os grandes ilustradores de agora, mas fazia sem utilizar computador algum. Não usava nada além de prosaicos pincéis, tintas e telas. Para ele isto bastava para atingir a fama incontestável de gênio que a faz jus. Com uma vantagem sobre os atuais ilustradores e pintores: ele não se limitava a fazer reproduções perfeitas como muitos o fazem, ele ia muito, muito mais além, tendo uma capacidade de transmitir em minúcias, cenas do sonho americano, o tal american way of life, os anseios, alegrias, emoções de pequenos instantes da vida comum dos cidadãos aos quais dava uma dimensão sem precedentes. A paixão, o preconceito, as descobertas de infância e adolescência, a solidão, os temores, o amor materno e todos os demais amores, a ansiedade, a angústia, a maledicência, a solidariedade, o preconceito mais indizível, a comoção, as certezas, as esperanças. Tudo isto e muito mais traduzindo como ninguém o sentimento do americano médio, do pobre, do rico e da raça humana como um todo. Mostrava ele um olhar atento ao seu tempo, à vida como um todo. Sem jamais esquecer apaixonantes pitadas de humor e a mais refinada ironia. Fazer belos trabalhos gráficos muitos fazem e o computador em muito ajuda nisto. Mas ter o olhar atento e aguçado e ser tão talentoso quanto Norman Rockwell, bem... aí é outra história.
(040513)

16 novembro 2016

Jorge Amado, Zélia Gattai, Gustavo Tapioca e o imaginário popular.

Este lance de imaginário popular é curioso. Aqui no Brasil, quando ouvimos falar em D. Pedro I, nos lembramos de um belo e sorridente jovem, com nigérrimas suiças, feições e corpo capazes de suscitar vívido interesse feminino. Mas se falamos de seu filho, D. Pedro II, o que nos vem na mente é um senhor austero de longas e alvinitentes barbas, parecendo ser ele o progenitor e não o filho nesta história toda. É que fomos alimentados com as imagens que os livros fartamente nos oferecem. Quando ilustrei para Gustavo Tapioca seu belo livro de memórias, Meninos do Rio Vermelho, tive acesso a uma série de fotos pouco divulgadas pela imprensa mostrando Jorge Amado e sua amada Zélia. Muitas dessas fotos aliás, clicadas por ela própria, fotógrafa habilidosa. Fiquei pensando que com Jorge Amado acontece um lance parecido com o dos Pedros, pai e filho. Falamos no escritor e imediatamente nos vem à mente um octogenário de bigodes alvos, farta e branca cabeleira tremulando ao vento, camisas estampadas e boné. Então entre as ilustrações que fiz para o livro de Tapioca, resolvi fazer estas aí, aproveitando fotos que mostram Jorge e Zélia em momentos plenos de jovialidade, um casal feliz cujo amor recém se iniciara mas que é mais que visível em seus rostos sem as marcas do tempo. Destarte as pessoas poderão ter a alternativa de ver assim, belos, apaixonados e jovens Jorge Amado e Zélia Gattai que tanta coisa boa nos transmitiram com suas vidas e seus escritos. O e-mail para os interessados no livro é gustavo.tapioca@gmail.com .
(14/08/13)

15 novembro 2016

Cau Gomez, mineirim e baianim / Pintando o Set 8

Algumas pessoas são de fato muito espaçosas no trato para com minha virtuosíssima pessoa. Deve ser esse meu jeito lhano, cordato, cheio de bonomia, blandícia e veraz beatitude, inerentes a quem nasceu na cidade das romarias populares, ex-votos e milagres, Candeias, Bahia, como esse filho de Seu Setúbal e de Dona Celina. Para provar que o que digo não são apenas e tão somente meras words, words, words, vou logo contando que o hoje cultuado cartunista Cau Gomez era ainda um recém-chegado aqui nessa Soterópolis, capital da Bahia, e, mesmo assim, sem pedir licença, agindo com a maior sem-cerimônia, foi logo tascando em meu peito de remador esta carica que ele fez de mim. Ô, mineirim forgado! Com cara e alma de eterno menino, ao dar os seus primeiros passos aqui nessa afrocity, Cau Gomez tinha um olhar meio de esguelha, de mineirinho, a fala doce de mineirinho, o cabelo curtinho como o de um típico mineirinho pacato. Hoje, passados tantos anos vivendo na Bahia, Cau adotou um estiloso visual afro-baiano que lhe cai muitíssimo bem. E pelas ruas, vielas e ladeiras dessa Soterópolis, lá vai ele, malemolente como um genuíno baiano. Mas eu bem sei que por dentro o cara ainda continua mineiríssimo, que só ele. Por fora, um belo acarajé. Por dentro, puro pãozim de queijo, sô.
(26/05/11)

As querelas de um Brasil que não merece o Brasil, Elis, Aldir Blanc.

"Um operário eleito e, a seguir, reeleito através das urnas, de forma incontestável, e uma mulher na presidência depois de 120 anos de República. Nada mal para um povo que já elegeu uma pletora de sabichões, gente quase sempre a serviço dos mais abastados e poderosos desse país. Bem-vinda, Presidente. Oxalá -para todos nós- tudo possa correr bem em sua gestão e que uma mulher possa mostrar a todos que o sexo frágil não foge à luta, e que dondoca neste país é uma espécie em extinção."
(03/11/10)
A singela postagem acima, intitulada Presidente de batom, publiquei aqui neste bloguito no dia 03 de novembro de 2010, quando a moça Dilma ainda se preparava para assumir a Presidência do Brasil pela primeira vez. Bem sabemos que, de lá para cá muitas águas turvas e tormentosas passaram debaixo da ponte, o que muitíssimo me faz lembrar a canção de Aldir Blanc e Maurício Tapajós, gravada em abril de 1978 por ninguém menos que a fabulosa e a insuperavelmente insuperável Elis Regina, com aquela sua voz tamanha proferindo cada palavra como se fosse uma sentença. Sempre me perguntava, e sigo me perguntando, como é possível um brasileiro desconhecer o país em que nasceu, sua História, sua gente, seus meandros, alternâncias, rumos corretos e descaminhos, acertos e desacertos do passado e do presente, seus horrores e injustiças, sua beleza e feiura, suas alegrias e dores, seu joio, seu trigo. Passados já tantos anos, as palavras contidas na letra da canção seguem desnudando verdades incômodas: "O Brasil não conhece o Brasil. O Brasil não merece o Brasil. O Brasil está matando o Brasil."

12 novembro 2016

Todo baiano é um Dorival Caymmi.

A imagem que muita gente no Brasil guarda dos baianos é de um sujeito folgazão, deitado numa rede, morena do lado, voz de estentóreo timbre que entoa canções do mar, um oceano azulzinho pela frente, olhar de pura  indolência e corpo pleno de malemolência. O estereótipo é um, a realidade bem outra. O fato é que neuroses e fobias não são privilégios de paulistas, gaúchos e cariocas ou de qualquer outro cidadão deste imenso país, vez que nós, baianos, somos igualmente neuróticos como qualquer outro vivente normal. Ou anormal, veja você aí, atilado leitor. Acontece que eu sou baiano, acontece que ela não é, quer dizer, por aqui temos a fortuna de possuirmos nas paredes da nossa etnologia índio-afro-lusa, mui ricamente emoldurado, um retrato de Dorival Caymmi, cujo modus vivendi tão invejado por tantos e tantos muitíssimo ajuda a fazer as pessoas pensarem que nós, soteropolitanos e baianos em geral, somos uns seres humanos fora do catálogo, de bem com a vida 24 horas por dia, sete dias na semana, 365 dias por ano. Ou mais que isso. Por uma imagem que tantos compatriotas invejam, a Caymmi, a minha mais que completa admiração e justificada gratitude. Ah!, e esta caricatura aí em cima, pequena homenagem que faço a esse formidável Buda Nagô, que se fez eterno através de suas dulcíssimas composições.
(30/04/2014)

11 novembro 2016

Jorge Amado, GustavoTapioca, o Rio Vermelho e seus meninos.


Gustavo Tapioca é jornalista da melhor linhagem. De um tempo em que jornal que se prezasse tinha que comportar em suas fileiras jornalistas autênticos, o que significava ser um profissional com consciência social e política, brios, coragem e acima de tudo, saber escrever bem. Nada a ver com um magote de vaquinhas de presépio que se limitam a reproduzir os releases que recebem de fontes pouco fidedignas, ou os descompreendidos que tomaram de assaltos as redações para divulgar coisas que pouco ou nada têm a ver com a verdade dos fatos, servindo apenas para privilegiar os já mui privilegiados. E fazem tudo isso com uma naturalidade assombrosa, convictos de que todos assimilam tudo de errado que eles articulam e veiculam. Bem, infelizmente um grande contingente de pessoas engole mesmo as informações distorcidas que recebe dos jornais, sem maiores questionamentos. Outros, no entanto, têm o incômodo defeito brechtniano de saber pensar. Quanto ao domínio da escrita, é justamente por bem saber escrever que há uns dois anos Gustavo Tapioca lançou seu livro Meninos do Rio Vermelho, um memorial inspirado de quem foi, ainda infante, vizinho de Jorge Amado, personagem onipresente em suas memórias nas páginas desse livro que vale a pena você, leitor atilado, conferir para se deliciar com uma Bahia solar, apaixonante e tão cheia de agradáveis surpresas como o texto de Gustavo, que aliás me brindou com o honroso convite para fazer as ilustrações, convocação que aceitei com júbilo adolescente. Aproveitei para fazer uma homenagem a Floriano Teixeira, fabuloso ilustrador e artista plástico, também morador do Rio Vermelho. Estou certo de que o dia que este livro chegar em mãos certas, vira minissérie televisiva ou filme de sucesso. 
**** O link para o leitor que estiver interessado em adquirir um exemplar é: http:/gustavo.tapioca@gmail.com 
(30/07/09)

O maior dos poetas menores / Setubardo, frente e verso.

Quando, na antiga Grécia,
Peripatéticos mestres
Iniciavam seus pupilos na poesia,
Não podiam sequer desconfiar
Que num futuro solar,
Um belo dia,
Em Candeias, cidade da Bahia,
O Poeta dos Poetas surgiria.
Quando os parnasianos versejavam
Faziam versos exatos, passo a passo,
Utilizando esquadro e compasso,
Medindo com régua suas rimas
Sem saber o que no Olimpo, lá em cima,
Minerva, deusa da Sabedoria,
Ligada na internet já sabia
Que em Candeias, Bahia,
O poeta Setubardo adviria.
Já fui chegando de olho bem aberto
E um esculápio tirado a esperto
Me deu uma palmada, pura covardia,
Só para ver se eu choraria.
Vê-se que tal pulha não me conhecia,
Isto é certo
Pois pra espanto de quem estava perto,
Ao invés de chorar, declamei uma poesia.
A primeira mamadeira a gente nunca esquece
E quando ela veio
Com indesejável recheio,
Bradei à minha genitora frase ferina:
"Qualé, Dona Celina?! 
Eu só quero papa fina:
Na minha mamadeira, 
Quero Drummond, Pessoa e Bandeira,
Dispensa essa vitamina de banana,
Me traga Baudelaire e Quintana."
Assim foi que eu cresci,
Muitos versos digeri.
Mastiguei e degluti
Do desjejum ao jantar
E na merenda escolar.
O meu almoço, seu moço,
Era todo dia
A mais concreta poesia.
Em Candeias, me iluminei
Em Santo Amaro da Purificação, me purifiquei
Em Salvador, me salvei.
Hoje eu sou Setubovski,
Sou Quintanúbal,
Sou Setusto dos Anjos.
Minha lira eu tanjo
E nessa vida maluca
Refresco minha cuca
Fazendo versos na raça
Que recito na praça
De qualquer cidade.
Contra a mediocridade
Dessa gente de mente vazia,
Poesia, poesia, poesia e poesia!
(010108)

10 novembro 2016

Da Suécia, Odd Nerdrum e sua pintura de mistérios

A beleza pode ter diversas formas. Depois de postar os belos trabalhos do caricaturista israelense Hanoch Piven, de elevadíssimo astral, publico estes do ótimo Odd Nerdrum, um mais que talentoso artista plástico nascido na Suécia, mesma terra do futebolista Zlatan Ibrahimovic, uma fera dos gramados. Nerdrum, também é uma fera, mas no campo das artes e ele nos brinda com uma pintura belíssima, ainda que extremamente soturna, plena de indecifráveis mistérios, deixando entrever, através de sua intensa força pictórica, um mar de sensualidade e um clima de evidente melancolia. Uma rara e invulgar beleza encerram seus trabalhos de pintura, não há como negá-lo. E o que é belo, vale a pena mostrar. Ah, en passant, é curioso dizer que, há um tempo, Odd Nerdrum foi condenado à cadeia, onde por dois anos vê ou viu ou verá o sol nascer quadrado, mesmo que na Suécia dias ensolarados não sejam lá coisas tão comuns assim. Sua condenação foi decorrente do fato do artista não pagar impostos sobre vendas de seus quadros no período de 1998 a 2000, cuja soma, em tão curto período, perfaz algo em torno da bagatela de...2 milhões de euros! Uau, o cara não é fraco, não! E eu, que só sei que nada sei, nem sequer havia ouvido falar no sujeito até descobri-lo na Internet. Santo apedeuta alienado, Batman!
(09/11/13)

J. Jorge Amado e o grande esparro d' umbu


"Nunca vi umbu ser tão grande!"
Esparro frutífero encontrável no livro de João Jorge Amado, Lá ele ( o esparro na Bahia ), do qual já falei aqui neste blog em publicação anterior. Trata-se de uma trabalho dedicado de pesquisa da cultura oral do povo da Bahia. Isso resultou em uma coletânea de esparros. Um esparro é uma espécie de pegadinha oral, feita com frases espirituosas, todas ocultando em si o mais malicioso duplo sentido, fartamente encontrado na boca do povão baiano que adora rir das próprias brincadeiras que faz, como um esparro bem sacana. O livro é um grande saque de J. Jorge Amado, verdadeiro ovo de Colombo, e eu me diverti de montão ao fazer as ilustrações. Se você ainda não leu, já está mais do que na hora. Para ser o feliz possuidor de um exemplar clique no link e contate o pessoal da Editora Publit Soluções Editoriais: http://www.publit.com.br
(30/08/13)

Voto e devoto / Humor de Graça

(10/09/12)

09 novembro 2016

Ronald Searle, cartunista: esse cara só sabia desenhar.

Ronald Searle sempre foi admirado, cultuado pelo seu talento raro. Tinha um traço pessoal, limpo, expressivo. E um humor refinadíssimo. Aos 91 anos foi-se deste mundo deixando órfãos um monte de fãs do cartum e de cartunistas talentosos de quem, aliás,  sempre foi ídolo. Devemos agradecer aos deuses das artes que ele, sempre profícuo em seu fazer artístico, pudesse ter tido o privilégio de viver uma vida tão extensa podendo produzir miríades de trabalhos maravilhosos para a delícia de nós, viventes. Vale a pena dar uma clicadinha neste link da Revista Piauí e conferir uma matéria sobre Searle que um dia, falando de si mesmo, disse que só sabia desenhar. Só isso. Assim como Pelé só sabia jogar bola.  http://revistapiaui.estadao.com.br/edicao-65/despedida-ronald-searle-1920-2011/eu-so-sei-desenhar
( 16/02/12 )

08 novembro 2016

Mestre Paulo Paiva recebendo o Troféu Angelo Agostini

O mês de janeiro de 2014 foi um mês inesquecível para os amantes das histórias em quadrinhos nesse Brasil brasileiro, mulato inzoneiro. Eis que, entre os premiados do HQMIX no citado ano, estava Paulo Paiva, o Pepê, um cara muitíssimo amado pelos profissionais da área, por tudo que ele fez pelos quadrinhos brasileiros, bem como pelos muitos desenhistas, argumentistas e por todos que militam nessa campo de tantos obstáculos, de tantas pedras, monólitos e pedregulhos pelo caminho. Pepê, além de ser um cartunista talentoso, sempre exerceu um fantástico trabalho como editor da área de cartuns e quadrinhos e faz jus ao título de Mestre que recebeu junto com seu troféu. Postei, no referido janeiro, as fotos e o texto abaixo celebrando esse notável acontecimento. Como se trata do Mestre Paulo Paiva, posto agora de novo, para relembrarmos juntos o que não é para ser esquecido, atilado leitor.
Paulo Paiva, mais lindão que nunca, cheio de fidalguia e elegância, com um boné estiloso, recebendo seu cobiçado Troféu Angelo Agostini hoje à tarde no Memorial da América Latina, em uma evento onde imperou o melhor dos climas, como se vê nesses registros fotográficos. Na foto de baixo, o casal Pepê e Suely posa para a posteridade com a amiga, Dra. Paula Annunciato, neurocirurgiã integrante da equipe do magnífico Dr. Wilson Luiz Sanvito, que operou e salvaguardou a vida de nosso estimado Pepê. Um acontecimento para ficar gravado na memória. Coladinha, toda feliz e orgulhosa, Suely Furukawa, competente editora e redatora, além de ser um mix de esposa, enfermeira, terapeuta e dedicado anjo-da-guarda desse que é o mais novo Mestre do Quadrinho Nacional, Paulo Paiva. Parabéns duplamente ao casal. Um dia chego lá, Pepê!
(o1/02/14)

Biratan Porto, um caricaturista letrado.

Antes de ser amigo do cartunista paraense Biratan Porto, sou um seu admirador entusiasmado e confesso. Bira mata a pau no cartum, na charge, nos quadrinhos e nas caricaturas. E ainda se renova sempre. O livro com sua série de caricaturas feitas com as iniciais dos caricaturados famosos, é de deixar qualquer um de queixo caído. Olha só o "F", de Fidel, servindo de chapéu e perfil. O "C" é a barba hirsuta e já grisalha de el comandante. Este do Chê Guevara , então, está um primor de criatividade. Aquela tal simplicidade dos gênios, de que tanto falam. Sorvam estes aperitivos aê e depois vão lá no blog do Bira pra ver o que é um trabalho bem feito e ver se ainda dão sorte de poder comprar o livro, se ele já não esgotou. Olha o link, galera: http://biratancartoon.blogspot.com/
(071113)

Jim Hopkins e o fabuloso destino d'Amelie, de Jennifer Aniston e Salma Hayek.

 
1. Salma Hayek  2. Jennifer Aniston 3. Audrey Tautou
Curto muito o belíssimo trabalho de caricaturas e ilustrações do norte-americano Jim Hopkins, um cara talentoso, mas que ainda não é muito conhecido aqui no Brasil. Por enquanto, por enquanto. Jim tem trabalhos maravilhosos e diversificados, é um verdadeiro homem-dos-sete-instrumentos, um factotum das artes, e eu já postei vários desenhos dele aqui neste bloguito. Para esta postagem, estimado leitor, escolhi uns trabalhos em que ele usou como modelos um trio de belas garotas, sendo todas elas atrizes mui famosas, que Jim Hopkins caricaturou com sua habitual competência. Entre elas, a uvinha mexicana chamada Salma Hayek. Também fez a darling dos ianques, Jennifer Aniston, além da francesa Andrey Tautou que, entre outras coisas, fez a cativante e deliciosa Amélie Poulon, em Le fabuleux destin d'Amelie Poulon, inesquecível. Você gostará, estou certo, e aí poderá ver e curtir muito mais acessando um blog do Jim, através do link http://mugitup.blogspot.com/
(110914)

07 novembro 2016

Ary Barroso, Bahia, praias, povão, celebração da vida.

"Bahiiiia, terra da felicidaaaaaaaade...". Quem mora aqui neste afro-baiano torrão, para se mostrar grato com o que a natureza generosamente nos lega, cotidianamente deveria acordar cantando a plenos pulmões os versos do baianíssimo mineiro Ary Barroso. Principalmente pelas praias, o mar azulzinho e o céu de irisadas nuvens que temos por aqui e que sabemos tão bem aproveitar, não perdendo nenhuma oportunidade de nessas praias comparecermos para curtir os raios de sol, bronzeando-nos ainda mais do que a natureza já nos bronzeou, batendo um papo, bebendo umas cervejotas geladíssimas, água de coco tirado de algum coqueiro que dá coco, onde amarramos nossas redes nas noites claras de luar e em solares jornadas, também sorvendo capitosas caipiroskas de siriguela, kiwi, umbu-cajá ou qualquer boa fruta da estação, comendo afrodisíacas lambretas, que inspiram qualquer vivente a fazer ousadia, idem e ibidem saboreando caranguejos e peixes assados, acarajés, abarás e o que mais vier, mergulhando e admirando o mais matizado pôr do sol. Existem sujeitos e sujeitas de outros estados brasileiros mui equivocados, curtos de ideias, superficiais e assaz preconceituosos, que interpretam o habitual carpem diem baiano como sinal de ojeriza ao trabalho, quando em verdade é uma questão de sabedoria de quem também, como qualquer brasileiro, enfrenta sua árdua faina diária pela sobrevivência, mas que nos momentos propícios - e aí não importa o dia da semana, até mesmo na tão famigerada segunda-feira - sabe desfrutar do que a Mother Nature nos regala a nós outros com desprendida generosidade. Ilustro esta postagem com uma pintura que fiz, mostrando uma singela cena familiar à beira-mar, que é pra rimar e inveja causar a quem porventura olhar. Fotografei com minha Rolleiflex modelo acrílica sobre tela.
(25/04/14)

06 novembro 2016

João Ubaldo Ribeiro, a quem dei sábios pitacos que o tornaram escritor consagrado no mundo.

João Ubaldo Ribeiro, consagradíssimo escritor, cronista admirado e seguido por uma legião de fãs que devoram seus escritos cheios de lucidez, consciência política e social e prenhes do mais inteligente e refinado humor. Seu domínio do idioma e da linguagem escrita são evidentes. E dizer que li tantos textos deles no original, recém tirados de sua máquina de escrever (era um treco cheio de ferrinhos que existia antes de inventarem o computador, caros adolescentes) nos idos dos anos 70. Não que ele me entregasse em mãos para um necessária e criteriosa avaliação. Eu lia os textos sem pedir licença, bem ali na mesa do diagramador da Tribuna da Bahia, em cuja redação trabalhávamos eu e o Ubaldo, lá apodado de Risadinha graças à sua indefectível e estentórea gargalhada que volta e meia fazia ecoar pela barulhenta redação. Aí, como quem não quer nada, eu dava meus pitacos pro Ubaldo, que por sinal já escrevia que era uma maravilha mas precisava de umas correções de rumo que euzinho, com minha proverbial benevolência com novéis, sempre me dispunha a prestar e não me pejo de dizer que o fazia de bom grado. Ele ouvia, silente, meneava a cabeça, pegava as laudas, entocava-se na sua sala e tratava de fazer os devidos reparos por mim sugeridos. Nunca, em tempo algum, a mim dirigiu qualquer palavra que pudesse, ainda que remotamente, deixar transparecer um agradecimento, coisa que a bem da verdade jamais pretendi receber, nem naqueles pretéritos tempos e muito menos em dias atuais. Do assaz astronômico numerário que cotidianamente adentra sua polpuda conta bancária, vintém não quero nenhum. Sou a generosidade em pessoa, a mim me basta vê-lo evoluir a passos largos no seu ofício, tornar-se um escritor maior que galga a passos largos os degraus da fama e tornar-se um dos maiores escritores entre tantos e tão talentosos escritores desse nosso país garboso e varonil. Creiam-me, basta isso para eu quedar-me com o peito inflado do mais lídimo orgulho. A João Ubaldo, meu derradeiro conselho é que não abuse da bebida que servem na ABL. Refiro-me ao tradicional chá que os imortais escribas bebem, paramentados de fardão e espadim. Matar, não mata, vez que todos são imortais. Mas pode dar uma gastrite daquelas, meu caro Risadinha.
(Salvador, Bahia, janeiro de 2012)

O orgasmo que até Deus aplaudiu / Setubardo fescenino

Ah, que orgasmo divino!
Que coisa mais delirante!
Fui à lua neste instante
Peço perdão pela ausência
Volto ao leito com urgência
Pra te amar com loucura
E pra deixar na fissura
Todos os casais do mundo
Ah, que orgasmo invocado!
Que coisa mais excitante!
Fui à Marte, doce amante
Fui à Vênus, lá no Monte
Sorvendo naquela fonte
O néctar do seu prazer
Volto aos seus braços em febre
Pra que seu corpo celebre
Um rito de ensandecer
Ah, que orgasmo irado!
Que coisa estonteante!
Foi radical, foi chocante
Centenas de maremotos
Milhares de terremotos
Um cataclismo dos bons
Equivalente ao tesão
De mil homens e mil mulheres
Mais de um milhão de amperes
Clareando esta Nação
Ah, que orgasmo retado!
Que coisa mais retumbante!
De repente, num rompante
Soaram suas trombetas
Pletoras de querubins
Rufaram suas baquetas
Um bilhão de serafins
Pois deste orgasmo bendito
Foi tal a repercussão
Que Deus, o onipotente,
Veio do céu pessoalmente
Apertar a minha mão:
"Que orgasmo, hein, meu irmão?!!"
(01/06/2011)

04 novembro 2016

Os afegãos em burca do Sexo perdido / U Sexu nu mundo 8


A vida sexual dos afegãos sempre foi um marasmo, ficando muito, muito agitada e atribulada em tempos recentes devido à presença ostensiva das tropas americanas em seu país, armadas até os dentes e xeretando tudo e mais um pouco. O marido afegão, mesmo não tendo barba, quando estava fazendo sexo oral na sua esposa muitas vezes era confundido pelos ianques com o Osama Bin Laden, se é que vocês me entendem. Aí era tanto tiro para cima dele que o pobre afegão não conseguia mais manter sua torre gêmea em pé.
(011010)

03 novembro 2016

Mulher de Escorpião no Horóscopo de Vinicius de Moraes

Mulher de Escorpião
Comigo não! 
É a Abelha Mestra 
É a Viúva Negra 
Só sai de vedete
Nunca de extra
Cria o chamado conflito de personalidades
É mãe tirana
Mulher tirana
Irmã tirana
Filha tirana
Neta tirana.
Agora de cama diz que é boa paca.

Deus e o dom do caricaturista



Parte do meu ofício consiste em fazer caricaturas ao vivo de simpáticas gentes as quais nunca vi mais obesas ou mais esquálidas. As pessoas geralmente adoram participar de eventos que contem com caricaturistas. E ao me verem empunhar o lápis e da virginal brancura do papel fazer surgir a figura de alguém que posa, deixam escapar aquilo que certamente todos os caricaturistas ouvem também: "É um dom!" Como se um querubim a serviço do Criador - ou Ele próprio - tivesse tocado a testa de cada um de nós e nos legado o tal "dom" que nos diferencia dos demais mortais. Longe estão de imaginar que faço - e certamente a maior parte dos caricaturistas o faz - um extenuante e repetitivo esforço para tentar estabelecer uma relativa intimidade com a arte de bem desenhar. Cotidianamente gasto resmas de papel rabiscando, esboçando, bosquejando, debuxando, hachurando, traçando, fazendo, refazendo, corrigindo. Chega a ser algo obsedante. Comecei a fazer caricaturas ao vivo nos anos 80, empurrado por Gonzalo Cárcamo, um chileno com cara de abastado sheik árabe que morou nesta afroterra. Com ele aprendi também o método profícuo e agradável de unir intenso treinamento artístico com o lazer. Munidos de prancheta e papel lá íamos nós para as praias, locais onde encontrávamos à disposição um batalhão de modelos, muitos inertes deixando-se tostar pelo sol. Banhistas, vendedores, adultos, crianças, anciões, núbios, sinos, arianos...uma festa. Aí, discretamente, enquanto se bebia umas cervejinhas e se comia uns caranguejos e lambretas, íamos produzindo estudos e mais estudos da figura humana ao vivo. Até hoje, já sem a companhia de Cárcamo que agora mora em Ilhabela, SP, sigo o método com empenho. Isto, via de regra, resulta em uma natural evolução do desenho e uma maior segurança no traço. As pessoas ignoram todo este esforço e esta dedicação ou até mesmo optam por não acreditar neles, preferindo atribuir tudo ao que chamam de "dom ", o que nos faz sermos vistos com imerecida aura divina. Já não tento demover ninguém deste equívoco, ajeito a indevida auréola sobre minha cuca, pego minha velha pranchetinha, meu prosaico lápis e vou à luta.
Ilustro esta postagem com alguns dos desenhos para estudos que fiz na praia de Jaguaribe, próximo à Itapuã. 
(021113)

Cangaceiro, pássaro, Floriano Teixeira

Cangaceiro é um tema recorrente na minha faina pictórica. Floriano Teixeira, maravilhoso ilustrador e pintor, fez diversos trabalhos assim mostrando um momento em que o homem do sertão tem sua dureza quebrada pela interação com o pássaro entre seus dedos acostumados a puxar mortais gatilhos. Eu, que sempre fui admirador incondicional do Flori - meu amigo pessoal, para minha fortuna - volta e meia faço uns desenhos e pinturas mostrando este duo sertanejo. Aqui usei acrílica sobre tela e depois dei umas cacetadas com Photoshop para complementar.
(171214)