01 abril 2015

Russ Cook e suas esplêndidas caricaturas



O que é bom pode ser visto um montão de vezes que sempre terá sabor de inédito, não é mesmo? E sendo assim e assim sendo vão aqui estas maravilhosas caricaturas do Russ Cook, que é um caricaturista lá do Reino Unido. É de babar as caricas dos invocados Bob Dylan e Samuel L. Jackson. Nos traços de Russ, Sophia Loren continua aquela italianona bela, piu bela que qualquer um gostaria de manjare. Em compensação o Serge Gainsbourg continua aquele cara malajambrado de sempre e dele sigo guardando, desde os anos 70 até os dias atuais, uma imensurável raiva não me importando o fato de ele já ter partido deste mundo. Sempre fui um cara de fina estampa, alto, espadaúdo, peito de remador, cabelos sedosos, físico de Adonis, lábios feitos para o prazer das mulheres mais lúbricas, por isso jamais  me conformei com o fato de ver que o Sergei, um cara feio de doer, fumante inveterado, que certamente devia ter um bafo terrível, passava o rodo geral nas maiores beldades de sua época, teve as mulheres que quis, conquistou e deixou gamadonas as atrizes mais famosas e alucinantemente belas do mundo do cinema e da música neste orbe, como La Bardot e a Jane Birkin, enquanto eu, belo e assaz formoso,  ficava por aqui no ora veja, o que comprova que Deus nem sempre é um cara justo.
Para ver os magníficos trabalhos de Russ, acessem o link www.russcook.co.uk  e divirtam-se.
                                           ( Public. origin. 07/11/13 )

Hilda Hilst, fescenina e deliciosa

Pensei em Hilda Hilst, grande e iluminada poeta, e me bateu vontade de ler algo bem fescenino dela. Achei esta poesia com sua marca inconfundível. Se você gosta da boa poesia, certamente gosta de Hilda. Na primeira foto ela com o magistral Zeca Baleiro, seu parceiro em belas composições. Na outra ela com aquela carinha singela de avó pacata e toda convencional. E qualquer um há de pensar como ela pode escrever versos tão iconoclastas com esta carinha meiga aê. Delicie-se agora com a poesia, entonces.
Araras versáteis
Araras versáteis. Prato de anêmonas.
O efebo passou entre as meninas trêfegas.
O rombudo bastão luzia na mornura das calças e do dia.
Ela abriu as coxas de esmalte, louça e umedecida laca
E vergastou a cona com minúsculo açoite.
O moço ajoelhou-se esfuçando-lhe os meios
E uma língua de agulha, de fogo, de molusco
Empapou-se de mel nos refolhos robustos.
Ela gritava um êxtase de gosmas e de lírios
Quando no instante alguém
Numa manobra ágil de jovem marinheiro
Arrancou do efebo as luzidias calças
Suspendeu-lhe o traseiro e aaaaaiiiii...
E gozaram os três entre os pios dos pássaros
Das araras versáteis e das meninas trêfegas.
               ( Public. origin. 28/11/13 )

Matt Zitman bota pra "f" . E a mulherada adora.

     
 Quando faço caricaturas de celebridades para revistas ou jornais, procuro trabalhar com total liberdade e explorar ao máximo o que a técnica da caricatura permite e o que os anos de experiência me ensinaram. O mesmo não acontece quando estou caricaturando pessoas em eventos contratado por empresas ou entidades. Aí seguro a mão para não exagerar no traço e não ferir susceptibilidades alheias. Afinal, trata-se geralmente de um evento festivo entre colegas, onde as pessoas estão em momento de descontração. Noto que tempos atrás as mulheres ficavam arredias e poucas se dispunham a servir de modelos ali, na frente de uma multidão. Temiam que se lhes revelassem possíveis "defeitos de fabricação". As coisas mudaram. As mulheres estão mais senhoras de si, perceberam - excluindo-se as de perfil mais tradicional - que caricatura não é uma arte depreciativa e são a grande maioria na fila dos que querem ser caricaturados. Mas para não haver debandada geral da ala feminina, uso a forma light de caricaturar. Elas adoram o resultado, mostram para as amigas, as filas crescem e lá vem uma multidão de Evas. Estou falando tudo isso porque me chamou a atenção em um blog de um ótimo caricaturista americano, Matt Zitman, a maneira sem amarras com que, usando a genuína técnica da caricatura da forma mais livre, distorce ao máximo os rostos de belas moças. Cara a cara de cara o cara escancara, cara! É de surpreender que ao final as beldades ainda posem, sem constrangimentos, até orgulhosas, ao lado das suas respectivas caricaturas. Será que as americanas são assim tão diferentes das brasileiras? Ou é apenas um pequeno grupo de garotas que sabe que a linguagem da autêntica caricatura é aquela, uma alegre e até delirante fantasia, que tudo não passa de uma brincadeira que não visa expor ninguém ao ridículo, apenas trazer momentos de riso saudável, descontração, bom humor. Confesso que fico morrendo de inveja da forma solta com que Matt executa seus trabalhos certamente convicto de que os modelos vão entender e gostar do que ele faz. Pelo sim, pelo não, sigo moderando, very, very light - pra atrair e não para espantar as susceptíveis moçoilas e madames que, por aqui, são plenas de melindres quando o assunto é sua sagrada aparência física. Ainda por cima escapo de levar uma porrada de uma delas nos meus sensíveis chavelhos.
O link pro blog de Matt é http://www.zitman.blogspot.com/
(Publ. origin. 19/11/13)

Arnaldo Antunes pra chinês ver



Da Romênia, terra do genial cartunista Saul Steinberg, recebo convite via Net para participar de mostra de caricaturas e retratos de personalidades romenas. Dei uma olhada no acervo de caricaturas já existente e achei esta deste cara aê, o Vasile Pârvan, historiador e arqueologista desenhado pelo caricaturista chinês Wu Jianjun, que aliás faz muito sucesso em Quixeramobim. Olhei a foto do homenageado e achei que o sino-coleguinha fez mais foi uma caricatura do altamente criativo poeta, compositor, cantor e performático Arnaldo Antunes. Muito bem feita por sinal! O Arnaldo, com seu proverbial bom gosto, certamente curtirá muito, Wu. Pra quem quiser dar uma conferida, o site é http://www.personality.com.ro
                                     ( Public. origin. 12/02/14 )