30 maio 2012

Irmã Dulce, baiana de Todos os Santos


Irmã Dulce, dulcíssima irmã. Sempre me maravilhou ver que o quanto a Bahia é capaz de produzir figuras assim tão impressionantes e tão dignas da admiração popular.

29 maio 2012

Caetano e Gil, doces e bárbaros meninos.

Gilberto Gil, grande, grande, grande Gil. Quantas canções suas me fizeram ver o mundo com melhores cores. Setentão, o cara aê! Mas, como é possível?!, é quase um garotinho ! Breve, em Agosto, o mano Caetano completará também os 70. Como é possível?!, perplexo indagarei de novo. Ambos grandes artistas, um a legião de fãs neste vastíssimo orbe de tantas culturas, todas nutrindo por eles incondicional admiração e respeito. Grandes artistas, grandes seres humanos, suas vidas espelhos para tantos. Chegam aos 70 serenos, criativos, atuantes, maduros. Que todos os santos da Bahia e todos seus orixás os protejam, meninos!

22 maio 2012

Cinegrafista que filmou celular de deputado Vaccarezza na CPI vai para a penitenciária

Shakespeare deveria estar pensando no Brasil quando escreveu que "há mais coisas ente o céu e a terra do que pode supor nossa vã filosofia". Por exemplo, a quase táctil inversão de valores existente entre nós de difícil compreensão para os que se pretendem racionais. A todo instante as televisões nos mostram vídeo  fita onde alguém é flagrado corrompendo ou sendo corrompido ou ainda um sacripanta afirmando que matou ou estuprou alguém. Estarrecido você assiste aquilo e conclui que com provas tão cabais e incontestáveis o crápula que protagoniza o fato vai parar atrás das grades por décadas, no mínimo. Eis que o protagonista surge em cena ladeado por um labioso advogado que sustenta estóicamente que a gravação em que "seu cliente" é apresentado corrompendo, estuprando ou matando não tem validade legal alguma pois foi feita ilegalmente sem a devida e necessária autorização de um juiz como determina a dura lex sed lex. Aí impera a tal inversão de valores vigente entre nós que termina livrando a cara do delituoso e colocando no banco dos réus a pessoa que gravou o delito, com formidáveis chances de que ela, sim, vá parar atrás das grades, tendo ainda que indenizar o crápula por difamação e calúnia. Abordo este assunto devido ao fato de ter ficado impressionado esta semana com uma imagem veiculada pelo SBT. Um cinegrafista atento e com invejável senso jornalístico captou em espetacular flagrante a tela do celular do deputado do PT paulista, Cândido Vaccarezza. Nela, nítida, uma mensagem que o parlamentar acabara de digitar e estava enviando para o Governador do Rio, Sérgio Cabral, tranquilizando-o, afirmando que Cabral nada tinha a temer daquela CPI de araque, apesar de ter sido flagrado em cenas de love story explícita ao lado do megatrambiqueiro Cachoeira, sob as luzes de Paris. Com imagem tão nítida da tela do celular do petista e da mensagem comprometedora, com tão irrefutável prova, qualquer um poderia afirmar que o deputado Vaccarezza é, no mínimo, um safado que não dá bola ao decoro parlamentar, que para conseguir governabilidade o PT de há muito abandonou seus príncípios eticos, que esta CPI é uma lamentável farsa, que logo afastarão o Vaccarezza da CPI na base do "vão-se os anéis mas ficam os dedos" e que mais uma vez o povo está sendo feito de palhaço. Nos EUA, o tal cinegrafista ganharia um Prêmio Pulitzer sendo aplaudido de pé e angariaria, de quebra, a eterna a admiração de todos. Por aqui, a tal inversão de valores reinante manda que o sagaz cinegrafista coloque suas barbas de molho. É de se esperar que Vaccarezza apareça em público ladeado por um rábula qualquer dizendo-se vítima de invasão de privacidade por parte do cinegrafista. E qualquer tribunal por aqui dará ganho de causa ao parlamentar mandando o autor das imagens tomar café de canequinha dentro de alguma penitenciária de segurança máxima. E ele se verá premido a buscar uma outra profissão menos perigosa.

08 maio 2012

As fotos mais nuas de Carolina Dieckmann

Não resisto diante de tamanha beleza, amáveis leitores, e vou logo mostrar a todos estas fotos da linda Carolina Dieckmann despida, totalmente despida de qualquer traço de feiura no rosto angelical, na alma que se mostra serena e segura neste ensaio que me encantou quando eu singrava os mares da Net. Que coisa maravilhosa, que acúmulo de beleza e meiguice no rosto e que singeleza na alma. Mídias que vivem de fofocas dizem horrores desta moça, de seu comportamento, de sua personalidade. As fotos desmentem tudo e sou levado a crer que há exagero e um certo despeito em tais críticas. Tudo que sei dela é que é uma atriz brasileira de muita garra e que no momento enfrenta uma barra pesada devido à feiura de caráter de gente que busca tornar a Net espaço para fazer transitar suas almas obscuras, seus sentimentos abjetos neste pais que se diz jovem e se propaga de gente maravilhosa e de bem com a vida, sem preconceitos. Ao ler na rede comentários sobre quaisquer fatos ou imagens, fico de cabelo em pé com coisas aterradoras escritas por pessoas que, em sua grande maioria, são jovens e que deveriam mostrar idéias renovadoras, progressistas, na forma de pensar, despojamento de velhos preconceitos, de idéias superadas e mesquinhas. Qual o quê, preconceitos são o que mais rola por aí, seguem alojados na alma de tantos e tantos de tal modo que se julgarmos nossos jovens pelo que se escreve na Net a título de comentários, opiniões, de tiradas de humor, o resultado é um desalento completo. As pessoas insistem em carregar nas costas toda sorte de preconceito como uma gibosidade da qual é impossível desfazer-se. Mas voltemos à bela Carolina. Além da beleza, ela mostra coragem em não concordar a submeter-se a chantagens vis. O crime que a atinge é hediondo e todos estamos sujeitos a ele que pode atingir qualquer um de nós a qualquer momento. É preciso que a Justiça ache mecanismos para punir infomarginais,  infocrimes e os opróbios dessa gente de caráter tão ignominioso. E que um dia o pensamento das pessoas em geral possa mostrar uma beleza maior. Como a beleza contida na bela, bela Carolina, Deus benza.