17 maio 2017

O sexo e os portugueses ou Fornicar é preciso / U sexu nu mundo 1

Em Portugal o rigoroso inverno muitas vezes impede que a mulher portuguesa faça o devido asseio pessoal, inclusive o íntimo. Nestes casos de sua lusa genitália desprende-se um forte e inevitável odor de bacalhau o que, em verdade, não é privilégio das lusitanas, podendo isto acontecer com qualquer mulher de qualquer parte do mundo que passar um longo período sem lavar o objeto de desejo dos machos da espécie, desde o Éden. O grande diferencial está em que, se para nós, brasileiros, o tal odor se configura em fator brochante e nada convidativo, para os bravos rapazes lusitanos isto até instiga o apetite sexual pois sabido é o quanto os portugueses adoram comer um bom bacalhau, não dispensam esse acepipe por nada e caem de boca vorazmente quando veem um à sua frente, ora pois, pois. Verdade ou não, é voz corrente que o maior problema lá nas terras de Camões e de Pessoa é que grande parte das mulheres ostentam buços tão compridos que são verdadeiros bigodes, e os bigodes das Marias costumam ser maiores que os bigodes dos Manuéis e Joaquins. Como é muito difícil habituar-se a tal coisa, os gajos portugueses vivem tomando enormes sustos todas as manhãs, ao acordar e olhar para sua companheira, ó pá! Nos livros, compêndios e almanaques deste planeta não é creditada aos portugueses nenhuma das grandes invenções em prol da Humanidade tais como o automóvel, o telefone, a televisão, o laser e as calcinhas comestíveis. Tremenda injustiça e falta de reconhecimento para com os gajos lusos já que eles são os responsáveis por uma das mais espetaculares invenções para a raça humana: a mulata brasileira, Ôba, Ôba! Graças à libido dos homens portugueses,  incontrolável diante das abundâncias carnais das negras amas e mucamas desde o tempo da colonização, é que surgiu esta nova raça superior, a das mulatas sestrosas. Se por um lado a mulata é gostosa, por outro é mais gostosa ainda. Por séculos os lusitanos em suas naus surrupiaram para a corte d'Além Mar quase todo o ouro do Brasil. Para nossa sorte, como as naus saíam das costas brasileiras sobrecarregadas com precioso metal, os portugas foram obrigados tristemente  a abrir mão das preciosas mulatas,  deixando-as todas aqui sem imaginar que desta forma nós, brazucas, é que ficaríamos no lucro. A atual crise econômica em Portugal é prova incontestável disto vez que todo ouro que nos tomaram já se acabou por lá, foi pras cucuias.  Em compensação aqui no Brasil temos uma fartura em mulatas maravilhosas que com suas exuberâncias, reentrâncias e abundâncias valem mais que todo ouro do mundo!
(121010)