09 janeiro 2017

A cantora Vã Musa, a confusa, e a Velha Jovem Guarda

Quando se diz que este é um país sem memória, todos os olhares se voltam imediatamente para a cantante Vã Musa. Sendo uma das mais conhecidas princesas da Velha Jovem Guarda, em suas recentes apresentações como cantora Vã Musa costuma esquecer os títulos e as letras das canções de seu repertório que canta há décadas, incluindo-se aí os refrões mais manjados e os hits mais chicletes do pedaço. Comprovando ter uma amnésia de elefante, em solenes solenidades Vã Musa deu até para esquecer a letra do mui glorioso Hino Nacional Brasileiro, coisa de fazer Manuel e Joaquim, autores de nosso hino pátrio, se revirarem em suas patrióticas tumbas. Sobre esse esquecimento específico, a nada mnemônica cantante redargui, prenhíssima de razão: "Se os mais famosos jogadores da seleção brasileira de futebol podem, eu também posso!". Quando se trata de esquecimentos, Vã Musa é bastante eclética e democrática, costumando esquecer-se invariavelmente da sua própria idade, não havendo meios dela lembrar-se em que ano nasceu, em que década, nem mesmo em que século se deu tal efeméride. Em compensação, na hora de receber seu sagrado cachê, toda sua elefântica amnésia parece dissolver-se rapidinho e ela proclama, cheia de entusiasmo: "Hei de receber centavo por centavo ou não me chamo...ou não me chamo...Ihhhhh! Como é mesmo que eu meu nome?!!"  
( 12/1213)